domingo, 4 de março de 2012

MAS QUE COISA MAIS BIZARRA DE SE VER...


Tem coisas na vida, que muita gente acha normal...porque se acostumou com aquilo, sei lá. No entanto, eu, na boa, não consigo me acostumar com certas coisas..juro que não. E também nem tento, pra dizer a verdade.

Isso já tinha me acontecido antes, e hoje tornou a acontecer. Presenciei hoje uma cena bizarra demais!!!!!!!! Claaaarooo, que muita gente vai falar: Nossa, todo esse furdunço por conta disso...creeeeeedo...Credo não, eu acho bizarro mesmo!

Estava eu, voltando da praia, depois do treininho chulé de 9km, quando avistei um homem de mais ou menos 30  anos. Nunca o tinha visto correr.  

Pois bem. O tal homem, vem em disparada, dando um sprint final de dar inveja. Obviamente eu nem sei quanto ele correu pra vim naquele gás, mas o importante é que a cena estava bonita. Todavia, a cena bonita, deu espaço à cena bizarra, pois  ao parar de correr, ao invés de fazer o que qualquer um de nós corredores fazemos, que é caminhar ou se alongar, ele simplesmente, tira de dentro do short  um maço de cigarros!!!!

Eu fiquei horrorizada!!! Ascendeu aquela m....na maior naturalidade, como se fumar fosse como abrir uma garrafa de gatorade após o treino...Em que pese toda a minha vontade de passar ao lado e dizer: Coisa feia hen??? , fiquei ali atrás dele fumando por tabela e pensando na disparidade e no contrasenso de correr e fumar.

Acredito que seja mesmo difícil parar, mas meu pai parou de fumar por minha causa e depois que começou a correr então... virou natureba....

Criar e manter bons hábitos costuma exigir dedicação durante grande parte da vida. Eu criei o hábito de comer muita salada, evitar frituras (eu como, pois amooo batata frita, mas evito), dependendo do vício, não abandonar os ruins significa correr o sério risco de desperdiçá-la por inteiro. No caso de quem quer parar de fumar, por exemplo, tem sempre uma voz lá dentro dizendo o quão prazeroso é o cigarro e outra gritando que ele faz mal à saúde. Virar o jogo não é tarefa fácil. Mas está longe de ser impossível. Marcada por recaídas e fracassos, a verdadeira virada só acontece quando o cérebro percebe que terá lucro, que haverá uma boa recompensa. É exatamente nesse aspecto que as corridas ajudam.
Muita gente fuma...muita mesmo. Eu dei uma pesquisadinha e descobri que mais de um terço dos habitantes do planeta fumam. O tabagismo é reconhecido como a principal causa de morte evitável em todo o mundo. No Brasil, enquanto pesquisas recentes dão conta que 25% da população acima de 18 anos fuma (o número vem caindo ultimamente), as estatísticas mostram que metade desse contingente morrerá por doença relacionada ao hábito adquirido.
Abandonar o vício, ao contrário do que se costuma pensar, não é apenas questão de força de vontade. O hábito de fumar é mantido por fatores físicos, comportamentais, cognitivos, emocionais e até mesmo motivacionais. Eu mesma tenho uma colega que fuma somente quando está em barzinhos.. Ela diz que é status...Ahã, e desde quando é status baforar fumaça na cara daquele que opta por uma vida saudável? Pra mim isso tem outro nome.. falta de simancol. O problema é que deixar esse vício horroroso pra trás é bem complicado, mas eis que surge uma solução... obaaaaaaaaa... a corrida!

Como? Olha só que coisa louca... O cigarro possui milhares de substâncias catalogadas como nocivas ao organismo humano. Responsável por criar o vício, a nicotina é apenas uma delas. Absorvida nos pulmões vai para o coração e, via sangue arterial, espalha-se velozmente pelo corpo. Entre seis e dez segundos alcança o cérebro, passando a atuar nos receptores ligados às sensações de prazer. Ao provocar dependência química, transforma-se no maior obstáculo para quem deseja interromper o vício.
Acostumado a funcionar sob estímulo da droga, quando o fornecimento de nicotina é interrompido o cérebro se vê obrigado a adaptar-se à nova realidade. Nesse processo de adaptação o indivíduo sofre os efeitos da chamada crise de abstinência. Dores de cabeça, alterações no sono, no apetite e no humor, náuseas, irritabilidade, tonteira, sudorese fria e depressão poderão fazê-lo desistir rapidamente da idéia. A boa notícia é que esses sintomas podem ser aliviados de forma alternativa, através da prática de exercícios físicos, especialmente os de intensidade moderada ou alta, como as corridas... Pw, ficou mais fácil entender? Não né, mas pelo menos mais estimulante. E tem mais, os exercícios físicos também atuam no sistema nervoso, especialmente no cérebro, produzindo mudança nos níveis de neurotransmissores como a serotonina e a dopamina.
No caso, correr ajuda o cérebro a restabelecer o nível dos neurotransmissores que foram ‘desorganizados' pela retirada da nicotina, aliviando tanto a intensidade como a duração dos sintomas sentidos durante a crise de abstinência, o que reduz as chances de recaídas nesse período, reconhecidamente a fase mais crítica de todo o processo.

A corrida faz isso ao mesmo tempo em que atua nos centros cerebrais responsáveis pela regularização do apetite e do sono, o que acaba trazendo vantagens extras para quem deseja largar o cigarro.

Como eu sei disso? Ahã... fiquei tão horrorizada com o mocinho corredor fumante que fui ver alguma coisa pra dizer áqueles que fumam e correm... se é que existe mais alguém tão bizarro a ponto d efazer isso...

E tem mais. Não é apenas no campo fisiológico que as corridas podem ajudar a parar de fumar. Na medida em que a pessoa começa a se relacionar com indivíduos que têm hábitos mais saudáveis, passa automaticamente a freqüentar locais onde sente que o fumo ‘não combina' e tem assim a oportunidade de quebrar com maior facilidade algumas associações comportamentais responsáveis pela manutenção do tabagismo. Imagine a cena... Vcs no meio d eum monte de atletas corredores, todos lá, a postos para largar e alguem solta a frase: Pw, me deu uma vontade de fumar um cigarrinho! Tenho certeza que vc seria arremessado pelo menos 5km a frente disnte dessa declaração.

Não combina. Corredor que é corredor fala de coisas saudáveis, age de forma saudável e o melhor tenta a todo custo levar a maior quantidade de amigos e pessoas possíveis para esse caminho. Falo isso, porque sempre que posso tento convencer uma amiga aqui outra ali a começar a correr, explicando todos os benefícios que a corrida me traz.

E outra coisa, perceber-se ativo e menos limitado também são fatores motivacionais importantes. Como os efeitos da retirada do fumo sobre a condição física aparecem rapidamente, ser capaz de correr irá representar um ganho significativo em relação ao que o fumante conseguia fazer anteriormente. Ver-se correndo mais e sentir-se melhor a cada dia representam uma motivação adicional para que a pessoa se mantenha afastada do cigarro. Sem contar que a corrida, ao aumentar o gasto calórico e favorecer o controle adequado de peso, ajuda a evitar uma das maiores causas de recaídas: voltar a fumar para emagrecer o tanto que se julga ter engordado ao parar.
O Médico pneumologista Clementino Fraga Filho, no Rio de Janeiro, Alberto José de Araújo levanta outro aspecto favorável às corridas: Por mais dependente que seja, quando alguém corre não fuma. Isso ajuda a pessoa a permanecer durante o tempo da corrida em abstinência, eliminando mais depressa o monóxido de carbono e aumentando simultaneamente os níveis de oxigênio em circulação no organismo. O crescimento progressivo e natural da produção de endorfinas e dopaminas irá restaurar o equilíbrio orgânico, dando forças ao indivíduo para ultrapassar a crise de abstinência.
Para aqueles que não correm e pretendem utilizar os benefícios da corrida como parte do tratamento contra o tabagismo, Dr. Alberto dá uma dica: começar a correr pelo menos duas semanas antes de entrar em abstinência garante maior chance de sucesso à empreitada. "Na véspera do dia marcado para a cessação - sim, é importante estabelecer uma data! -, uma boa corrida irá aumentar a confiança e a auto-estima de quem deseja se livrar do fardo e, então, paulatinamente, readquirir o domínio da própria vida. Tudo isso sem jamais esquecer que o tempo estará passando", diz ele.
Se o corredor deixar de fumar, os ganhos em seu desempenho serão fantásticos, podendo ao longo do tempo equipara-lo ao de não-fumantes.

Queria muito que coincidentemnete ou não, essa tal moço lesse o meu blog, nem que fosse para não parar de fumar, mas pelo menos para refletir sobre esse hábito horroroso. Corra muito, e aproveite e corra do cigarro, porque ganhar o desafio contra esse mal é bem melhor do que qualquer troféu!

3 comentários:

Vivendo a Vida Correndo disse...

Muito boa a postagem sobre o cigarro e o fumante. Fica o alerta sobre o mal que o cigarro faz e dificuldade que o fumante tem em larga o vício!!!

Fumar faz mal a saúde, largue este vício e pratique atividade física!!!
Um abraço !!

Fernando Moura
www.vivendoavidacorrendo.blogspot.com

Marcus disse...

Oi Luciane! Eu, num lance desse, tento puxar um papo com o cara, pra saber o pq daquilo. Acho que vc perdeu uma grande oportunidade de salvar uma alma, rsrsrsrsr. Boa semana pra vc.

Xavier disse...

Olá, postagem antiga, porém eu estava procurando sobre cigarro e fumo, vejo que tem poucos corredores que fumam, mas enfim. Eu corro, não em busca de superar limites, tempo, distancia etc. Faço basicamente 6k, 8k, 10, 14k, ou seja, depende da minha época. Eu sou um desses que fumam, bebe, mas gosta de correr. Com certeza as minhas práticas me impedem de melhorar o desempenho, porém não é meu objetivo. Tenho a fisolofia de que o esporte para mim é me ajudar a levar uma vida desregrada com mais saúde. É isso, só um outro posicionamento em relação a isso.
Abraço, boas corridas.