terça-feira, 28 de junho de 2011

PIPOQUINHA, PIPOQUINHA..PIPOQUEIA...TODO MUNDO PIPOCANDO...



Já dizia o grande Raul Seixas: "Eu prefiro ser, essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo".

Na verdade, falar sobre os corredores pipocas, piratas, bandidos, furões, penetras, ou seja lá qual o nome que se dá aqueles que se enfiam no meio de uma prova sem pagar, não é uma das tarefas mais fáceis, muito pelo contrário..cada blog que a gente segue, cada vez que o assunto é posto em discussão, a coisa incendeia..uns a favor, outros contra.

Vou ser sinceríssima. Já tive várias opiniões sobre o assunto, mas não me envergonho, aliás, nenhum pouquinho de dizer que mais uma vez mudei de opiñião, até porque só os idiotas não mudam de opinião...

Nunca participei de uma prova como pipoca. Mas nunca participei, não por ser contra, mas porque nunca teve uma prova que eu quisesse muito e não tivesse como pagar e que se eu não corresse seria o fim do mundo. Acho que é bem por aí. A pergunta que eu faço é: Por que você está correndo de pipoca? Várias seriam as respostas:

a) Queria muito participar e não tinha dinheiro;
b) Achei a inscrição muito cara e me neguei a pagar porque seria sacanagem gastar todo esse dinheiro;
c) Eu nunca pago inscrição para correr;
d) eu tava correndo ali perto e decidí entrar no meio;
e) a rua é pública e eu corro aonde eu quiser...

Tá..eu podia ficar aqui o dia inteiro elencando os motivos que levam alguém a correr sem pagar inscrição. Admito. Já fui a favor, invocando o direito de ir e vir e que todos tem o direito de correr onde bem entenderem, desde que respeitando o direito dos outros naquela velha história..o seu direito temrina onde começa o meu. Passei um bom tempo levantando essa bandeira, e jogando a culpa em cima dos organizadores que cobravam valores altíssimos para as inscrições, dignos de elite, sendo certo que quem realmente garantia a prova era mesmo o povão. Também achava que não tinha problema nenhum, desde que você se limitasse a fazer o que foi fazer: correr. Nada de copinho de água, nada de passar pelo pórtico de chegada, nada de nada...só correr.

Todavia, porém, entretanto...volto a dizer...não tenho vergonha de mudar de opinião, fazendo algumas ressalvas. Hoje, cerca de 10% dos corredores em uma prova, são pipocas. A gente pode até achar que não é nada. Sim, numa prova de 100 pessoas...onde 10% seriam 10. Mas já pensou numa São Silvestre? 20.000 pessoas? 2.000 estão ali... por que mesmo?????

Tá bom...aí a gente vem com todo esse papinho de advogado (eu sou)... e o direito de ir e vir? E a Constituição Brasileira? Ok. O direito de ir e vir e a Constituição Brasileira permanecem como sempre onde sempre ficaram. O que eu quero dizer é que é uma grande bobagem a gente dizer que fere o direito d eir e vir, sendo certo que há muito mais coisas envolvidas numa prova, do que meros 10.000 metros.

Tomar a água de quem pagou, correr no espaço de quem pagou, entrar no pórtico de quem pagou, atrapalhar o resultado de quem pagou, usufruir de serviços (médico, staff, organizadores entre outros) de quem pagou e ainda assim achar que pode invocar a Constituição Federal enchendo a boca pra falar do direito de ir e vir? Dá pra ir e vir em outro lugar pelo menos naquele dia?

Todo mundo sabe que um dos meus grandes sonhos é organizar uma corrida. Talvez esse sonho nunca se realize devido á grande burocracia que envolve toda a criação de um evento como a corrida. Isso custa caro. Não se limita a copinhos de gatorade. Vai além. Vai desde o aluguel de alambrados ao pagamento de seguro...vai desde a taxa para a CBAT até a distribuição de mexirica e tudo isso desembolsado por corredores que muitas vezes nem tinham lá muitas condições de pagar, porém fizeram um esforcinho para tá ali sem ofender direito de ninguém.

Não dá também pra gente ficar colocando a culpa em cima dos valores das inscrições. Sim, acho que muitas provas estão mesmo muito caras e digo mais, a maioria nem tem oferecido o devido respeito aos corredores, não prestando o essencial...banheiros químicos suficientes, água suficiente, posto médico, um kit legal, uma medalha decente, porém não é por isso que temos que nos enfiar lá no meião batendo no peito cheio de orgulho que "Não pago memo"...Como eu disse, pensem em 2.000 pessoas a mais num evento?

Certa vez numa prova de São Vicente, quando fazia a volta dos 5km, ví que a água não seria suficiente para quem estivesse lá atrás. Meu pai era uma dessas pessoas no meio há tantos senhores e senhoras que completariam a prova acima de 1 hora num calor bravo. Sabe o que eu fiz? Mesmo com sede, passei reto do posto de água. Talvez minha atitude não tivesse mudado muita coisa, porém talvez aquele copo que não foi meu, tivesse sobrado para algum senhor desidratado. Agora imaginem 2000 pessoas tomando água... Não me venha com essa de que os corredores pipocas não tomam água...claro que tomam. E é óbvio que nenhum staff negaria água a um corredor mesmo sabendo que ele está ali sem pagar. Isso nem iria contra a Constuição...rs...iria contra a Bíblia....rsrsrs...

Ok...o cara não bebe água..é um pipoca que corre a seco. Tá. Agora, imagine um corredor que pagou pela sua inscrição. Aquela é a prova da sua vida. É aquela que ele quer ver dali há  alguns anos como a que lhe proporcionou o recorde pessoal. Treinou duro. 2000 pessoas além. 4000 pernas a mais lhe atrapalham...4000 braços batendo d eum lado para o outro. Não acho que atrapalhar os outros seja um direito, muito pelo contrário...

A gente sabe que corredor ama correr. A gente sabe que corredor acha bonito correr e estar no meio da corrida, mas a gente também sabe que nem sempre a gente consegue fazer tudo que a gente gostaria de fazer. Como os pais que explicam ao filho que não se pode comer pipoca, churros e Mc lanche Feliz. Ou uma coisa ou outra. E se não temos dinheiro para o Mc lanche feliz que optemos pela pipoca que é mais barata. Assim é com a corrida. Quem disse que a gente tem que correr todas as provas de todos os lugares? Isso tá na Constituição? Ok.. se a inscrição tá cara. Não corra. Se a prova é perto da sua casa, vá aplaudir. Se a rua é pública, respeite o que é do público. Acho que é um grande começo..aliás, uma grande reflexão.

O problema é que vivemos num país de gente mau educada e seguidora da teoria que Brasileiro tem sempre que levar vantagem em tudo. Não tem não. Tá na hora da gente ser conhecido como um povo educado, que respeita o outro, que sabe o limite entre o seu direito e o direito do cara do lado. Não é tudo a mesma coisa. Não é porque ele tá ali que você também pode estar. Talvez vá além da educação e como cada vez mais usado no direito...é questão de bom senso.

Pense nisso!

domingo, 26 de junho de 2011

CORREDORES PIPOCA...



ASSISTAM O VÍDEO SOBRE "CORREDORES PIPOCA"... PENSEM, REFLITAM...AMANHÃ EU COLOCO O MEU PONTO DE VISTA. MAS FALEM...COMENTEM...



http://www.webrun.com.br/home/v/pipocas-parte2/149

sexta-feira, 24 de junho de 2011

VAI PARA O TRONO OU NÃO VAI??????




Tá, falemos a verdade. Tem coisa pior do que dor de barriga durante o treino? Tem. Quando a dor de barriga acontece durante a prova....rs...

Eu sou sincera em dizer, meu intestino funciona feito um reloginho...todo santo dia às 08:30 lá estou eu, colocando pra fora tudo de ruim na vida.

Porém, em dias de prova, a coisa desanda de tal forma, que a sensação que tenho é que perdí todo o controle da buzanfa. Chego a ir 1, 2, 3, 4 vezes antes da prova. E não é ensaio não...é brincadeira de gente grande mesmo..rs...Meu marido fica chocado e diz que é psicológico. Pode até ser. Confesso que em determinadas provas (as mais importantes) eu fico ansiosa mesmo, dá aqueele medinho e acho que isso acaba refletindo no intestino.

Eu acredito que a dor de barriga é uma das coisas mais temíveis entre os atletas, tirando as lesões, que aí, é fim de carreira mesmo. O problema da dor de barriga é  que quando ela aparece, a gente trava total, gera desprazer, cai o rendimento, o batimento cardíaco sobe de forma acelerada pelo esforço em segurar, sudorese aumenta, e ainda parece que a dor de barriga aumenta ainda mais , quando se sabe que não há banheiro nas proximidades.

Mas preste atenção, nem toda dor de barriga, significa que é mesmo o n.º 2 batendo na porta. Muitas vezes, o esforço físico, gera gases...tente fazer uma forcinha e liberá-los.. ajuda bastante.. 

E parar pra aliviar? Duvido deodó que a maioria de vocês pare. Comigo nunca aconteceu durante a prova, mas com meu parceiro de revezamento já. Lembro bem que era uma Meia Maratona. Quando ele chegou, contou que entrou numa loja de móveis para esvaziar a caixa...rs...kkkkkkkkkkkkkkk....

Já outro conhecido meu, o Fubá, sumiu também no meio de uma Meia Maratona. Depois contou que achou um terreno baldio e por lá ficou um bom tempo.

Todavia, tenho um que optou por não deixar se abater pela dor de barriga e continuou. Chegou com a sunga fofa...rs...mas chegou...

Mas tirando as situações de Intestino Nervoso, devido à ansiedade dá pra evitar essas dores. O importante é tomar algumas medidas úteis como: alimentar-se de forma correta e nada de ingerir algo que não esteja acostumado, evitando comidas gordurosas, refrigerantes por conta do gás.. e comer muita fibra.

Agora, eu aconselharia a parar, caso tiver uma dor durante a prova. Pare numa padaria, posto de gasolina, matinho, loja de móveis...rs...qualquer lugar ou encontre um lugarzinho só seu, até porque  o tempo que você  vai perder com essa parada , com certeza será menor do que você diminuir seu ritmo da prova, pois  conforme  vai aumentando essa dor, seu ritmo vai caindo muito, correndo o  risco de nem conseguir concluir a prova.

Aí sim...a merda tá feita!

quarta-feira, 22 de junho de 2011

OS 10 MANDAMENTOS

Achei bacana esses mandamentos que eu encontrei num post do blog  @ Blog 42195   pertencente ao Alessandro. Aliás, nós como corredores sabemos o quão difícil é andar na linha....mas tentamos vai...Então resolví transcrever os mandamentos, mas com algumas observações em vermelho...

OBEDECERÁS OS 10 MANDAMENTOS DO CORREDOR:



I. Amarás a corrida sobre todos os esportes; (sim, sim, eu juro..aliás, acordar às 05:45 da madruga todo santo dia já é uma provinha vai!!!!!!)


II. Treinarás para superar os limites do corpo; (tá bom, mas não é pecado treinar pra superar o limite dos japas...rs....)


III. Respeitarás os dias de competição, preparando-se adequadamente; (Gente..tô azul avatar...será que infringi essa normal naquela competição de Bertioga, em que me preparei duramente, dando inveja a Demi Moore em Até o Limite da Honra e acabei comparecendo em horário diferente perdendo a prova???? Não, não, digam que não!!!!!)



IV. Usarás sempre material esportivo adequado; (tirando o dia em que acordo tão voada que acabo pegando meia da gaveta de meia de dormir...larguinha....)



V. Não roubarás cortando caminho em provas; (Eu mais do que ninguém abomino esse tipo de comportamento, inclusive achando que a Cbat deveria dar punições mais severas....)


VI. Honrarás sempre seu treinador, equipe e colegas de corrida; (Isso sempre..juro, juro, juro...com exceção de treinador...prefiro honrar  minhas planilhas....)


VII. Não cobiçarás o desempenho do próximo, mas poderá usá-lo como motivação; (Juro, juro, juro...mas isso também vale para as meninas da minha categoria????.. Isso também vale para os japas??? Acho que tenho que repensar então...rs...)


VIII. Serás solidário com os irmãos corredores e não sujarás ruas e parques; (Sim, sim...Aliás fui uma ótima mocinha na última prova, abrindo mão de resultados para ajudar uma amiga que queria resultados....Qto a sujar ruas...juuuuuuuuuuuuuuuroooooooooooooooooooooo e juro também que tenho vontade d ebater em quem mija em garrafinhas e as fazem rolar durante o percurso)

IX. Buscarás sempre ser um corredor e uma pessoa melhor; (sim.. e uma pessoa melhor, do que aqueles japas que estão em 1º lugar no Circuito...isso eu juro...rs....)


X. Nunca desistirás! ( E tem como desistir da corrida? Faça-me o favor...)



terça-feira, 21 de junho de 2011

SÓ PRA CONSTAR....

Bem amigos...depois da tempestade a bonança, não é assim que a nossa avó dizia? Estou totalmente adaptada ao novo emprego. E fiz algumas mudanças. Nada de correr depois do trabalho. É fato, sou do dia e não da noite. Nada disso. Acordo às 05:45, faço a mamadeira para o meu filho, fico com ele na cama até às 06:00 e exatamente às 07:00 estou nas areias da praias.

Ah, as areias da praia!!!! Vendo aquele solzinho tímido e ouvindo só gaivotas. Meio nostálgico, porém tão energizante! Trabalho que é uma beleza. E assim, consigo realizar meus treinos sentindo cheiro de mar e não d emaconha como vinha acontecendo.

Estou empolgadíssima. As p´roximas etapas só acontecem no mês que vem, então tenho tempo pra passar a semana toda só na rodagem...até porque as dores na asa das costas ainda me remetem ao nitendo wii da festa de sábado passado....rs...

O fato é que estou felicíssima em conseguir mais uma vez encaixar a corrida de uma forma que me deixasse na animada. E pouco me importa acordar ás 05:45 todos os dias...a corrida realmente tá no sangue...

E os japas que me nos aguardem....
UM DEDINHO DE PAPAI DO CÉU....

O Sábado foi diferente dos outros. Ao contrário de ser sempre tranquilinho, dessa vez, muitos eventos me alertavam sobre o que poderia acontecer. Pois bem, festinha junina do meu filho de 3 anos (aliás, lindo demais), e aniversário de criança.. à noite...Como sempre digo..meu filho vem sempre em 1º lugar, então, metí um saltão agulha de dar inveja a qualquer mulher e qualquer dragqueen e lá fui eu...E nada de ficar sentada, muito pelo contrário...Sou muiot adepta à frase: "Se tá no inferno, abraça o Diabo"...Então..tive direito a tuuuuuuuudo..muita bolinha de queijo, muito "pra lá e pra cá", muito nitendo wii, muitos jogos de mesa e muuuuuuuuito brigadeiro...Daria pra ver....Cheguei em casa às 0:00 hrs...

Ás 06:30 estava de pé...ou quase. Tudo doía. Tudo meeeeeesmo. Nunca pensei que participar d euma inocoente festa infantil, poderia me deixar desse jeito. Por conta dos jogos de boliche do nitendo wii e mais os jogos de mesa fiquei com os braços e costas doendo...um horror. Mas "vanbora"...

3 dores de barriga. Meu pai já estava lá embaixo e tive subir correndo de novo...4 dores de barriga. Nenhuma vontade de correr....F...E ainda tinha que me justificar com meu parceiro sobre a questão de ter perdido a corrida. Aff.

Assim que desci pra encontrar com meu pai, um gato preto em cima do muro me olhava. Se eu fosse superticiosa, ainda que um pouquinho, já seria o motivo que eu precisava pra voltar para cama e continuar o que estava fazendo há menos de 6 horas (um verdadeiro sacrilégio, diga-se de passagem). Mas segui...rs...dando um xauzinho pro gatinho preto.

Chegamos á concentração com tempo sobrando. Geralmente quando eu estou sem vontade de competir, ela acaba aparecendo diante daquela gente toda, ali, acordando de manhã, cheia de gás...Domingo, não apareceu.

De certa forma tudo era um grande motivo. Trabalho novo, horário novo, treinos que não rendiam e treinos que não aconteciam. Um Campeonato que ra Santista e virou Paulista. Muito salgadinho na barriga, muito cansaço. Nada combinava com aquilo.

Procurei meu parceiro para me desculpar sobre o episódio de Bertioga. Apesar dele dizer que "Tudo bem, acontece", sentí um pouco de tristeza. Nessa hora, não tinha muito que explicar. Pensei que ele quisesse abandonar tudo, o que seria compreensível, porém sua resposta foi bem diferente: "Não, circuito é circuito. Só acaba na 6a etapa. Vamos até o fim". Situação resolvida.

Na largada, uma grande confusão para registrar o chip. Acabei ficando lá pra trás. Regina, uma amiga minha da categoria 55-59 me pediu para que eu a policiasse durante a prova, não a deixando largar forte, pois sempre quebrava e acabava perdendo colocações. Era o que eu precisava ouvir. "Regina, quanto tu quer fazer"? Ela me respondeu que queria fazer 48:30. Ótimo..."Então, vamos fazer..Hoje eu vou com você e você fará o seu tempo". Ela até tentou me convencer (inutilmente) de que isso me prejudicaria, pois ela sabia que eu largava mais forte e fazia tempo mais baixo, porém, eu manifestei que queria mesmo ajudá-la. Pronto...achei o estímulo que o gato preto achou que tinha me roubado...rs

Com o fuóó´da largada, colei na Regina e encorporei a "técnica"...rs...Sempre com palavras incentivadoras, Regina agunetava o ritmo exato para fechar em 48:30. Há menos de 50 metros, a adversária que ela queria bater. "Não perde ela de vista, gruda, gruda e respira, respira..você tá bem". A adversária de Regina sentiu o perigo e apertou. Regina também sentiu...mas foi o cansaço. Começou a respirar de maneira ofegante. Pra mim, totalmente normal. Você está correndo num ritmo forte..espera-se que não estja confortável. E os idiotas que passavam do lado dela, ao invés de ficar quietinho, diziam: " A respiração tá alterada, diminui o ritmo"...

Porra.....quem não fica com respiração alterada durante uma prova? Quem que não quer resultados corre sem colocar os bofes pra fora??? Eu fiquei muito puta... e continuei dizendo para que ela continuasse ali forte...pois ela´é Maratonista, tem força, tem gás.. era só continuar...e que todo mundo ali tava sofrendo, não era só ela. Eu apenas falava para que ela manter o ritmo e puxar respiração de lá do fundo...

Nos postos de água, eu acelerava, pegava, trazia pra ela e voltava a ficar na frente. Acho que corri bem mais do que 10km...rs...E então no km 6, emparelhei com a adversária dela, com o intuito de fazer regina me seguir bravamente. Não conseguí. E então...fui acelerando. Uma menina da minha categoria passou por mim voada. Mas a idéia era ajudar a Regina. Deixei que fosse...em termos. Ainda soltei pra ela: "Bora Ana, bora roubar uns pontinhos das Paulistas". Ok, eu  estava ali paa ajuda  Regina , poRém, não ia da esse mole pRa guia né...Rs....


No km 8 acelerei o que eu podia. Eu tinha perdido muto  tempo ajudando  Regina e agora eu tinha que correer atras do pejú...tudo bem...Fiz o meu pior tempo do ano...0:49:19..kkkkkkkkkkkkk....


Sem nenhuma expectativa, reunimos a tuma, sorteamos 2 pares de tênis, batemos um papo. Nem esperei a pemiação. Estava contente, apesar de Regina  não ter conseguido fechar em 0: 48:30 como queria. Acabou fechando em 0:51:32 Também ficou feliz e me agradeceu muito pela força que eu "tentei" dar a ela.

Cheguei em casa suuuuper contente mesmo. Tinha feito um tempo ruim, não tinha pegado o pódio, mas tinha feito melhor...ajudado uma amiga...

Na manhã de segunda-feira, curiosidade mata...fui dar uma olhadinha no resultado. E surpresinha: Papai do céu me recompensou com o 5º lugar. Isso aconteceu porque a 3a colocada, não correu, pois optou por participar da prova de São Paulo...Sabe o que foi engraçado? lembram da menina da minha categoria que encontrei lá no Cais e pedi pra ela segurar firme pra roubar pontos das Paulistas? Ela ficou em 6º..ou seja, se eu não tivesse dado um estalo tipo.."essa não vai passar não"...eu ia ficar com muita, mas muita raiva mesmo...rs...

O bom, é que ficando em 5º ainda tenho alguma chance no final do campeonato, já que algumas das colocadas não correram a 1a etapa e portanto não pontuaram...

olha o 5º lugar vazio.....mas foi meeeeeeeeeeeeuuuuuuuuuu

Sinceramente esse´5º na verdade não estava tão vazio assim...teve Zebra...rs...Urubu, gato preto, mas também Papai do Céu...

Como eu sempre digo...As coisas não acontecem por acaso e certamente essa prova não será lemmbrada pelo pódio...isso só foi mais um na minha vida de muitos que ainda virão, mas sim, pela opção de eu largar tudo para ajudar uma amiga...Fiquei orgulhosa de mim mesma...juro por Deus! E na boa, acho que lá em cima, recebí algumas palmas convertidas num 5º lugar!



Olha aí eu de verde e a Regina de azul ao meu lado...Corrida também é isso...

quinta-feira, 16 de junho de 2011

FRACASSADOS???? QUE NADA!



Acredito que desde que éramos pequenos, tínhamos essa grande dificuldade de aceitar que fomos derrotados. Sei disso, porque quando brinco com meu filho de 3 anos e ele perde, levo um bom tempo explicando pra ele que nem sempre a gente vai ganhar e que perder também nem sempre é ruim, porque a gente aprende a não fazer aquilo de novo, ou pelo menos deve tentar, o que já é um bom começo.

No entanto, quando a gente cresce, a coisa não muda muito. Parece que há um bloqueio em que "perder" sempre significa fracassar, ser grande "looser" como se diz nos Estados Unidos. Não devia ser assim né?

Estou falando sobre isso, porque ontem á noite, quando fui treinar (SIM FUI TREINAR NO FRIO DE NOVO), encontrei uma conhecida que há algum tempo não via. la estava correndo. Surpresa, e feliz, por ter no mundo da corrida mais uma seguidora, perguntei quanto tempo ela etava correndo e se participava de provas. la me disse que corria há 2 anos e pouco e que chegou  a participar de algumas provas, até o dia em que em uma prova de 10km, não aguentou e parou, terminando os últimos 2km caminhando. Segundo ela, a sensação foi tão ruim que decidiu nunca mais participar. "caramba, eu corria todo dia 10km e não aguentei naquele dia. Me senti uma verdadeira fracassada".

Na boa, acho que todos nós corredores já passamos ou iremos passar por algo semelhante. Isso me aconteceu 1 vez na vida numa prova de 25km. Tá bom, confesso, nunca mais voltei a participar dessa prova, mas não po e me achado uma fracassada ou perdedora, mas poque realmente não me sentí preparada e empolgada para voltar. Lembro bem. stava um sol de 40º C. Larguei forte e meu mp3 resolveu pifar no km 17. Acho que foi mesmo o psicológico que me venceu. Andei 200 metros, perdí o 5º lugar no pódio. Por um bom tempo fiquei meio chateada.

Na verdade, passados tantos anos correndo eu posso afirmar com toda certeza do mundo. Desistir no meio de uma prova pode ser num primeiro momento um desastre, pode parecer o fim do mundo. Recentemente lendo o blog da Drica percebí bem isso. A gente treina tanto e quando chega no dia de provar o que a gente pode ser capaz de fazer, quebramos...é ácido láctico pra tudo quanto é lado, é fôlego que não aguenta, é tudo endurecendo ao mesmo tempo agora e o psicológico tentando nos convencer que somos uma bosta.

NÃO SOMOS! Como eu sempre digo, muitas vezes a gente realmente treina o suficiente, porem outros fatores nos impedem de seguir adiante, ou pelo menos nos obriga a partir para um plano B. Nem por isso somos fracassados, nem por isso devemos sentir vergonha, até porque às vezes a melhor estratégia mesmo é diminuir o ritmo e deixar aquela vontade de fazer o melhor para uma outra oportunidade.

Nem sempre precisamos fazer o melhor tempo. E também não é sempre que estamos dispostos, que o clima é favorável, que estamos ebm psicologicamente, que a umidade do ar está adequada, que uma gripe não nos atingiu...esses são apenas alguns de vários fatores que nos levam a desistir no meio de uma prova.

Na boa, nessa hora, eu sei, não é legal, um sentimento muito ruim toma conta da gente, ainda mais quando estamos focados naquela prova. Porém, se acontecer, se formos obrigados a como eu disse, partir para um plano B ou mesmo parar...pare. Não é vergonha, aliás, n´so corredores costumamos nos apoiar muito nesse momento por entender com exatidão o que aquela "quebra" significa pra gente.

Outras corridas virão, outros treinos e até por que não, outras desistênicas durante a prova, que o fará repensar no que é que deu errado. O importante é não se punir, e não achar que aquilo aconteceu porque você não foi bom o suficiente para segurar a onda e manter o ritmo até o final como esperava.

Eu sei, a teoria é realmente linda é incrivelmente irritante. Isso porque nós mesmos nosa acostumamos com aquela obrigação de sempre ter que ser  disciplinado, determinado, raçudo e que brasileiro não desiste nunca. 

Vamos combinar, duvido que há alguém com tantos predicados juntos. Tem nada. E felizmente ainda bem, não somos iguais ao outro e nem temos tantas qualidade assim..isso seria tão chato!  

Acho que bem melhor doq ue sermos vencedores toda hora, carregando essa obrigação nas costas, é  sabermos perder em alguns momentos, ou emsmo desistir. Estou falando aqui de conseguir enxergar no outro o que faltou em si. E a partir de então retomar de onde parou e começar a traçar novas metas ou a mesma, quem sabe.

O importante mesmo é nunca achar que você é pior do que alguém por ter desistido numa prova. E muito menos ficar se descabelando e se lamentando até a última geração.  E nada de querer se matar de correr para provar pra todo mundo que voce poderia ter sido o melhor, ou que você mesmo desistindo é o melhor....isso não funciona. Melhor mesmo é no dia seguinte ao ocorrido, tirar o relógio, e refrescar as idéias num trotinho a beira mar...

É isso! Pense nisso e corra por muito mais tempo!

quarta-feira, 15 de junho de 2011

O CIRCUITO DA MALDIÇÃO....

Buuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu....Buuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu.....Buuuuuuuuuuuuuuuuuuuu....Se eu fosse daquelas pessoas que se borram toda vez que ouvem histórias estranhas, essa seria a hora de cair fora do Circuito das Praias...rs...

Isso porque, após a "tragédia" que se sucedeu no domingo, após ler os comentários que algumas pessoas deixaram no blog, dizendo que "não era pra ser", "lá na frente eu irei encontrar resposta para o ocorrido", comecei a perceber que as coisas estavam erradas desde o princípio.

Vamos a 1a etapa: Eu havia treinado feito louca, estava ansiosa. Coisa dentro da normalidade de todo corredor que almeja tempo, resultado, ainda mais em provas de revezamento. Corrí feito louca e cheguei toda torta. Pernas tortas, boca torta, um mal-estar horrendo. Não conseguia ficar de pé, não conseguia ficar sentada, não conseguia nada. Nunca na minha vida passei por algo parecido.

Na 2a etapa, mais calejada, treinei bem mais. Fiz um ótimo tempo. Porém, nosso carro foi guinchado. Tivemos que sair correndo pelo meio da rua, debaixo de chuva, com mochila nas costas. Pegamos carona com estranhos, fomos à Delegacia. Não liberaram o carro. Voltamos correndo novamente. Felizmente achamos uma amiga que nos deu carona. E quando abri a mochila para ver as fotos que havia tirado, a máquina estava toda molhada e cheia de banana amassada. Conclusão..prejuízo total...R$ 270,00 de guincho + 200,00 de multa + máquina perdida.

Na 3a etapa, totalmente empolgada pela probabilidade de fazer o melhor tempo da minha vida, treinei duramente por 15 dias. Todavia, 4 dias antes da prova, um espinho de apossou de meu pé, fazendo com que minhas passadas fossem doloridas. Mesmo assim, insisti em participar da prova. Era a agrande chance. Cheguei à concentração às 19:00, mas a prova tinha acontecido às 17:30. Perdemos o pódio, os pontos ao final da competição, o 2º lugar no ranking e pra completar a dupla que ficou em 1º e que iríamos bater fez um tempo lixo e ainda assim ficou em 1º.

Então, confessem: Não é coisa da minha cabeça...Algo de estranho ronda o Circuito das Praias. Obviamente elaborei algumas teorias, as quais possivelmente poderiam se encaixar aqui:

- um marido ou mulher de algum corredor/corredora, indignado pelas inúmeras vezes em que tiveram que perder uma festa no sábado porque o marido/mulher corredor/corredora optaram por descansar para domingo, ficou de saco cheio, jogando uma urucubaca do tipo: Eu não corro, tu não corre, ninguém corre...

- diz a lenda que em todos os anos ímpares, como é o caso de 2011, Tutancamon levanta das profundezas e fica escondido atrás dos postes do Circuito. Seu espírito negativo, faz as coisas desandarem de tal forma que até urubu voa de costas pra não nos perder de vista....

- todas as duplas colocaram o meu nome e o nome do meu parceiro na boca do sapo e pediram para que o mesmo pulasse até o Japão, já que seria a 1a vez que estávamos participando do Circuito e já havíamos deixado muitas duplas para trás...Com a volta do sapo, provavelmente ao final do Circuito, talvez as coisas voltassem ao status quo ante...

E a teoria mais provável...

Segundo Dáfne, Fred, Salsicha e Scoob Doo, a culpa seria do Zelador do Parque de Diversões....



Sinceramente..ainda não achei solução ou resposta para o que vem ocorrendo, porem espero de coração que a 4a etapa traga um "alento maior para o meu coração"...kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk....Seria cômico se não fosse trágico....Mas na boa, eita fasezinha do kct!

terça-feira, 14 de junho de 2011

TUDO NOVO...


Antes que me perguntem se eu superei o ocorrido de domingo....NÃO, NÃO SUPEREI. Antes que perguntem se o estrago foi grande...SIM FOI ENORME. Ainda mais se levar em conta que a dupla que a gente queria bater fez um tempo péssimo e nos garantiria o 1º lugar com toda certeza do mundo. Eles ficaram em 1º lugar e obviamente tornou impossível o sonho de sermos os campeões do Circuito. Qto ás colocações... talvez tenhamos caídos apenas 1, já que a dupla que estava em 3º ficou em 2º na prova de sábado, e portanto, subiu para o 2º lugar no ranking...lamentável! Mas a vida continua, apesar das imbecilidades cometidas...

Ontem foi o 1º dia! Um dia diferente de todos. Novos horários, novo ambiente, novo treino...tudo novo.       E eu  como uma perfeita aquariana, sentí um pouco de medo.  Engraçado dizer isso, afinal de contas sou sempre adepta a grandes mudanças. Acho que quem fica parado por muito tempo vira múmia ou algo do tipo.  Talvez seja porque tudo aconteceu ao mesmo tempo agora...então, aquele friozinho na barriga é aceitável.

Reloginho despertando às 07:00 ao invés das 06:00 como eu havia pensado. Não achei justo sacrificar meu pequeno, tirando ele todo quentinho da cama só para eu ir correr. Nessas horas a gente entende realmente o sentido de ser mãe.

Nada de treino pela manhã. Ás 08:45 estava chegando ao meu novo emprego. Feliz, porém apreensiva. Nessa hora  a gente precisa ter muita calma. Nada de querer mostrar serviço a toda hora, nada de perguntar demais, nada de falar de menos. Mas acredito ter dado conta do recado direitinho.

Às 18:30, estava arrumada para treinar. Um friozinho...a lua no céu. Quanto tempo eu não tinha coragem de fazer isso. Quantos anos fiz meus treinos com o sol batendo na nuca, no rosto...Mas encarei. O problema seria encarar o asfalto. Todo mundo sabe que eu odeeeeeeeeeeeeio treinar no asfalto...gosto mesmo de enfiar o tênis na areia, na água da praia, no canal se preciso...

A idéia era correr pelo calçadão totalmente contrariada, mas quando ví um único ser correndo pequenininho lá na areia pensei: "´atrás desse que eu vou!"... fui. O problema é que não fiquei atrás dele por muito tempo, já que com a temperatura em torno de 17ºC foi impossível não pisar no acelerador. Nem suar, eu suava, nem cansar eu cansava. Mas confesso..sentí um pouco de medo de correr na praia sozinha. Muito embora a praia não estivesse escura, o cheiro de marofa trazia um sinal de perigo...pois muitos maloqueiros ficam puxando um fuminho perto dos canais...e nessa hora, mulher desacompanhada....

Depois de alguns canais, a praia ficou mais movimentada o que me surpreendeu bastante. Muita gente trabalha e treina depois sim senhor! Muita gente caminha, muita gente joga bola, muita gente odeia assistir novela...rs...

E como diria aquele pééééééssssssiiiiiiimmmmmo do Lulu Santos: "Não vou dizer que foi ruim, também não foi tão bom assim"....Mas acho que consegui cumprir pelo menos um dia de obrigação. É claro que é bem mais fácil você acordar, tomar o café, ir treinar e só então encarar o trampo do que depois de trezentos milhões de problemas ter que liberar a endorfina na praia, mas acho que essa situação explica bem o amor pela corrida.

Agora à tarde vi uma chuvinha fina, um frio assustador...tenho que treinar, vou treinar e cumprir mais um dia de obrigação!

segunda-feira, 13 de junho de 2011

ANTES FOSSE O ESPINHO NO PÉ


Minha mãe sempre me disse para admitir as coisas, isso ameniza a situação. Nunca pensei nisso e também nunca precisei testar essa teoria. Então aos 34 anos, eis que admito: SOU UMA IMBECIL! Achei que isso amenizaria a situação, porém, posso afirmar categoricamente...não ameniza.

No sábado acordei cedo, almocei cedo, dei uma dormidinha e às 17:00 levei meu pequeno para a minha mãe. Então lá fomos nós rumo à Bertioga. O drama começou cedo. Um trânsito pela praia!!!! Na fila da balsa o relógio marcava 17:35 hs e estávamos parados. Repetia o tempo todo que eu devria ter saído de casa mais cedo, mas vamos combinar...pensasse nisso antes...!!!!!

Ás 18:13 hrs estávamos dentro da balsa que por alguns instantes parecia estar parada, tamanha a lerdeza. Meu marido me perguntou se  a largada seria mesmo às 19:00...Estranhei a pergunta e antes mesmo de precisar questioná-lo, ele me disse: "Se a largada for mesmo às 19:00, vamos ter problemas pra chegar. Reze para que seja às 19:30 hs."



Eu tinha certeza que era às 19:00, mas preferí agarrar meu escapulário e começar a rezar. Rezei de um tudo. Fiz até promessa: Se eu chegasse na hora, acenderia 10 velas na igreja perto de casa. Quando desembarcamos em Bertioga, mais um pouco de trãnsito e uma estrada cumprida e escura que avisava que faltava 30km até o local da largada. Tínhamos 30 minutos. Comecei a me tremer inteira como se estivesse um frio do cão. Meu marido pedia calma e eu pedia que não corresse...se desse tempo, ótimo, se não desse...paciência. Aliás, paciência era o que eu não estava tendo...preferí ter fé.

Olhamos no relógio, faltava 5 minutos. Meu marido começou a olhar pelas ruas paralelas e sempre me dizia: "Não tem ninguém correndo..a largada ainda não foi dada".

Enquanto isso, eu já ia tirando a calça, o casaco, tomando a minha água. A idéia era ele me deixar na esquina mais p´roxima e se a largada tivesse sido dada, eu apenas seguiria o fluxo do jeito que dava.

Assim que nso aproximamos do local, algo estranho. Tudo muito calmo. Ninguém correndo, ninguém gritando, ninguém arrumando o numeral ou comendo uma maçã. Ninguém fzendo um alongamento bizarro ou mesmo vestido de inseto ou fada, coisa normal por aqui. Simples assim. Ninguém. Aí que comecei a me tremer mesmo. 

19:00 hs em ponto. Cadê o povo? Será que a largada era em outro lugar e eu não ví. Num banco 3 caras guardadores de carro. Enfim, um carro da CET vindo em nossa direção. "Pára o carro, pára o carro" eu gritava. Então meu marido perguntou ao guarda onde seria a corrida. Eis que veio a constatação: " A corrida? Já acabou! Foi às 17:30, já estamos liberando o trãnsito".

Eu não estava acreditando! Podia jurar que ví que a largada seria às 19:00, afinal de contas a prova se chamava Bertioga by night e 17:30 não é noite, ou é???? Fiquei paralisada por alguns minutos tentando entender o que havia acontecido. Não entendí. 

Então, meu marido começou a me chamar, e eu ali paralisada. Até que eu não aguentei..chorei tanto! Eu havia estragado tudo. Fiz meu parceiro se deslocar até lá e não aparecí. Dá vontade de chorar até agora cada vez que lembro da sensação horrível que ele passou quando não me viu chegar. Será que ele tentou fazer a 1a parte do percurso que me cabia na esperança de que eu chegasse na 2a parte? Talvez..Seríamso descalssificados, mas confesso que eu teria feito isso. Perdemos os 6 pontos que ganharíamos ao final do Circuito se corressemos todas as etapas...quer mais? Caímos no 2º lugar pro...sabe se lá qual.. ainda não tive coragem de ver...

Quanta imbecilidade! E quando cheguei em casa, a primeira coisa que fiz foi ligar o computador e verificar o horário da prova... 17:30. Por que então eu pensei em 19:00? Porque me confundí com a prova norturna da Jovem Pan que terá largada nesse hórário.

Estou tãi chateada, mas tão chateada, que perdí toda a vontade de correr a prova de semana que vem valendo pelo Campeonato santista e estou disposta a entender perfeitamente caso meu parceiro não me queira mais. 

Antes fosse o espinho no pé...antes fosse! 

sexta-feira, 10 de junho de 2011

DANOU-SE....

Na boa, isso não era a hora, nem o momento para acontecer. Não bastasse toda a minha correria da semana por conta de mudança de emprego, o psicológico abalado e tantas outras coisinhas, agora, em véspera de prova, meu pé ~resolve adotar um ESPINHO, ou OLHO DE PEIXE, ainda não sei.

Fato é que desde terça-feira, meu último treino, não consio apoiar direito o pé esquerdo no chão. Limpei o local, cutuquei, escavoquei, implorei para que ele saisse, mas não saiu. Na verdade nem sei o que é pior..um espinho ou olho de peixe. Já tive um olho de peixe no pé e tive que operar...a coisa ficou tão gigante e não inflamada que a operação não pegou anestesia e tive que cortar a sangue frio...Sim, sentí o bisturí abrindo o meu pé se querem saber  não foi nada agradável. Não suportaria passar por isso de novo.

Amanhã é circuito das provas...os 5km de revezamento. Esto em pânico. Acho que vou passar qq coisa no pé para amortecer a coisa e seja o Deus quiser....

O bom é que dá pra escolher o tempo de sofrimento né...rs..cabendo dizer que se eu optar por sofrer abaixo de 22 minutos, certamente irei sofrer bem mais durante a prova. Não quero nem ver.. aliás...´quero sim...que chegue logo e temrine logo isso...que estrago que vai ser!

quinta-feira, 9 de junho de 2011

SÓ PRA SABER....

É tão bom quando a gente participa de uma prova em que temos a sensação de que corremos exatamente aquilo que era pra correr. Já participei de provas em que havia 800 metros a menos no percuros de 10km o que atrapalha e muito, principalmente se estamos de olho no  relógio.

É por isso que eu digo: organizar uma prova nãoé tarefa das mais fáceis não. Tem que ter responsabilidade e respeito com os atletas. Essa parte da medição depercurso é uma delas...requer cuidados e não é simples como possa parecer.

Antes de proceder a medição do percurso aonde será  a Prova, a Empresa Organizadora deverá obter a sua liberação pelas autoridades de trânsito local, em documento por escrito, incluindo detalhes de faixas de trânsito, curvas, cruzamentos, etc.. visando facilitar o trabalho de medição, básico para a realização da prova e a homologação de seu resultado pela CBAt.

Tem muito organizador por aí que nem comunica nada a CBat, como por exemplo um senhor aqui de Santos, cujo o nome nem preciso dizer que 5 minutos antes da largada, estava mudando o percurso por não ter obtido altorização de fechar determinada avenida. Esse aí, felizmente, já foi banido das corridas e graças a Deus, nenhuma Prefeitura autoriza o mesmo a fazer qualquer outro evento dessa natureza.

Deverá nesta fase ser montado um mapa esquemático do percurso, contendo todos os detalhes de interesse da Prova, visando estabelecer áreas de largada e chegada, pontos de retorno, balizamentos, bloqueios parciais e totais etc.


A avaliação preliminar da distância feita com odometro de carro ou motocicleta conduz a um erro de 5 a 10 % no seu total, porem servirá como informação preliminar ao medidor credenciado que no seu trabalho confirmará as distâncias intermediárias e a marcação dos km além da definição e ajustes da distância total, para tanto é necessário se prever áreas extras para ajustes da distância total.

Após a fase de preparação e com bastante antecedência a Empresa Organizadora deverá solicitar junto a CBAt ou através da Federação local a presença de um medidor credenciado para oficializar a distância da Prova e preparar os documentos necessários ao seu reconhecimento pela CBAt.

A fase de contratação da medição envolve o acerto da remuneração indicado pela CBAT (vide tabela de honorários com a CBAt) e os arranjos de viagem e hospedagem .a serem acertados diretamente com o medidor indicado dentro de sua disponibilidade profissional. Aqui a gente começa a ententer (????) porque aluns organizadores (???) acabam não dando importancia a essa medição...envolve dinheiro né??? Quanto maior o lucro melhor...e que se lasque, nós corredores, que treinamos duramente achando que estamos correndo uma prova séria..

O percurso será então medido pelo método da bicicleta calibrada utilizando o aparelho Jones Oerth Counter fixado na roda dianteira da bicicleta tipo Caloi 10 (conforme figura abaixo)




O medidor seguirá rigidamente os procedimentos oficializados pela CBAt por orientação da IAAF / AIMS.

Todas as informações da fase inicial deverão ser repassadas ao medidor para que ele possa analisar e decidir a melhor maneira de medir o percurso, para tanto ele necessitará de proteção policial de trânsito em todas as fases de seu trabalho, o qual envolverá :

= vistoria do percurso escolhido pela organização da Prova,avaliações preliminares do mesmo




= layout de uma distância padrão (sugerida mínima de 300m) com fita de aço calibrada (Lufkin ou Stanley de 30m) para calibragem dos aparelhos em lugar pouco movimentado

= cálculos e efetivação da medição, marcação dos km com tinta de demarcação asfáltica, locação da largada e chegada com pino de aço

= Mapa do Percurso contendo identificação de todos os pontos relevantes da medição, incluindo pontos de retorno, lista e descrição dos km, largada e checada, etc..( anexo exemplo de mapa de percurso)


= preenchimento em formulário próprio da descriçãoo do tipo de percurso segundo classificação da IAAF / AIMS ( tipo em loop, ponto a ponto, ida e volta, etc.), conceito de drop e separation (desnível e separação entre largada e chegada), estes aspectos são exigidos para as provas nacionais e internacionais, etc...

= perfil plano altimétrico do percurso, referido a cada km além da largada e chegada (exemplo contido na figura anexa)

= emissão preliminar do certificado da CBAT.


Meu é coisa pra carambaaaaaaaa!!!!!!!!

Para provas nacionais e internacionais toda esta documentação deverá ser encaminhada à CBAT para revisão e certificação (análise por um medidor certificador ou de nível A) visando a obtenção do certificado definitivo da IAAF ou IAAF / AIMS.

Sempre que possível ou recomendável o medidor deverá repetir uma segunda pedalada pelo circuito todo, certificando o seu trabalho em termos de distância total, isto também poderá ser obtido “convidando-se” um segundo ciclista para acompanhar sua trajetória e comparar os resultados obtidos (que deverão concordar em 0,08% na distância total).


Este procedimento de certificação do percurso por um segundo medidor é exigido em provas internacionais ou quando da solicitação de oficialização de melhores resultados nas distâncias oficiais, para efeito de ranking da CBAt / IAAF



Estes e outros pontos serão esclarecidos quando da consulta inicial e solicitação de reconhecimento da Prova pela Empresa Organizadora à CBAt.


Exemplo de mapa contendo detalhes e perfíl plano altimétrico:



Antes da medição propriamente dita, o medidor irá definir um percurso com fita de aço calibrada de aprox 300/400 m em linha reta e local pouco movimentado aonde irá calibrar o aparelho credenciado para a medição (Jones Oerth Counter), antes e depois da medição, esta operação é necessária para a complementação dos cálculos a serem apresentados no relatório final da medição.

Este local para aferição do aparelho de medição, deverá ser sugerido pela organização da prova não muito distante das áreas de largada e chegada, evitando-se transportes da bicicleta depois da aferição.




Durante a medição o medidor irá pedalar sempre pelo caminho mais curto (SPR) para a obtenção da distância final. Isto envolverá tomar as trajetórias em linha reta entre os pontos de tangencia das curvas, pedalando muitas vezes em diagonal nas ruas para obter esta trajetória mais curta, sempre protegido por um mínimo de duas viaturas policiais de trânsito sendo uma motocicleta por sua maior mobilidade.

A hora ideal para efetuar a medição, a ser combinada com o medidor, deverá ser pela manhã bem cedo, com luz suficiente e pouco tráfego nas ruas.

Não deverá haver pressa no trabalho e a velocidade máxima da bicicleta não deverá ultrapassar 16 km / hora, por segurança e durabilidade do aparelho de medição (frágil.

É tudo tão bem pensado né gente? Aliás, isso me remete a uma dasminhas primieras provas há mais de 10 anos atrás em que eu participei em Bertioga. Lá, tocava a gente saia correndo e 5 minutos depois já não tinha ninguém na nsa frente, ao nosso lado...em canto nenhum. Corríamos por entre os carros e ônibus, disputando umlugarzinho no meio fio. Quando cheguei em determiando ponto, lembro bem, aliás, impossível esquecer, entrei no Corpo de Bombeiros para me informar sobre pra onde eu deveria seguir...eu estava perdida...eu e quase a prova toda...O 3º colocado havia corrido 1,5km a mais que os outros por ter entrado em rua diferente...rs...um quebra pau total....Se a coisa fosse séria....

Exemplo de mapa de percurso, com desenho dos detalhes e locação de largada e chegada e indicação em texto de restrições do percurso:



É...por isso que eu falo...meu sonho é realizar um dia uma prova bacana, mas quando a gente começa a se aprofundar em algumas coisinhas...prefere continuar(pelo menos por enquanto) do lado de cá do asfalto...



FONTE: CORRIDA DE RUA




quarta-feira, 8 de junho de 2011

VAIDADE NA HORA DE CORRER


 
Conheço várias mulheres que não saem sem maquiagem nem para ir até a padaria da esquina. A impressão que dá é que elas dormem maquiadas, com cabelos escovados e com cílios postiços, não é possível.  Eu, particularmente sou adepta à maquiagem somente em festas, não dispensando, é claro, um brilhozinho labial pra dar um toque de feminilidade. Até porque se usar todo dia, não causa nenhum impacto quando nos produzimos para alguma festa...

Todavia, há aquelas que também não abrem mão da vaidade na hora da corrida. Vamos combinar, mulher que é mulher tem e deve sim ser vaidosa, porém sem cometer excessos. Colocar uma roupinha combinando, como um top, uma sainha, um boné...ou até uma pulseirinha, um batom, vá lá, mas tem cada coisa...

Na verdade não acho que maquiagem e corrida combinem, salvo, como dito, um gloss, ou mesmo um batom clarinho. Há algumas empresas que já investem bastante em cosméticos direcionados à mulher praticante de corrida, como é o caso dos batons e dos brilhos labiais. “De 80 a 90% das mulheres que correm usam batom e ele é 100% liberado”, revela a treinadora Camila Hirsch, diretora técnica da assessoria esportiva Personal Life. Uma opção interessante para os treinos ao ar livre são os batons hidratantes que contêm protetor solar – bons para evitar que os lábios fiquem secos e rachados.

Eu uso protetor labial durante os treinos, procuro evitar os batons, porque muitas vezes acabo esquecendo e dando aquela passada de língua nos lábios e nem sempre o gosto do brilho ou batom são bons...

Tem mulheres que usam bases com protetor solar, até porque já une o útil ao agradável: protege contra o sol e esconde o que não precisa ser visto...rs...Eu também não sou a favor, por um motivo: acho que as bases tendem a tampar os poros e quando a gente corre os poros precisam estar bem abertos para que o suor saia. E digo mais, poros fechados, acne à vista...isso é fato.

Uma coisa que eu acho péeeeeeeeeeeeeeessimo é passar perfume para correr. Na boa, eu que tenho rinite alérgica já passei por cada uma por conta dessas atletas que se entopem de perfume para correr. Certa vez numa prova aqui em Santos, uma moça estava com um perfume tão forte ao meu lado, que fiquei com dor de cabeça durante a prova. Um horror!

Ah, outra engraçada. Uma vez vi uma menina nos 10km A Tribuna toda produzida. Chegou com batom, rímel...rs...às 08:00 da manhã. Depois da prova, coincidentemente a vi novamente, parecendo que tinha tomado um soco no olho....culpa do tal rímel que certamente não era à prova dágua....rs...


É bom ficar atenta na hora de escolher os cosméticos que lhe acompanharão durante a corrida. É importante optar por produtos que garantam uma boa fixação – cujos riscos de borrar o rosto e manchar a roupa são menores.

Continuo dizendo...é uma opinião minha: não acho que maquiagem e corrida combinem, porém um gloss ou um rimel tranparente não faz mal a ninguém, muito pelo contrário, nos dão a certeza de que podemos correr feito homens, mas sem perder a beleza que Deus nos deu.

terça-feira, 7 de junho de 2011

OS INCANSÁVEIS QUE ME PERDOEM...






Os incansáveis que me perdoem, mas descanso é FUNDAMENTAL. No post anterior falei um pouco sobre o que o estress e o excesso de treino pode causar...em especial o tremor nas pálpebras.

Pois bem. 2 dias de passaram e hoje um treino de 60 minutos em ritmo de prova me mostrou o que nós corredores estamos carecas de saber, porém insistimos em deixar pra lá....DESCANSAR È FUNDAMENTAL. Encontrei um conhecido meu e viemos correndo os últimos 5k juntos. Levei na boa, sobrou no final. Me espantei bastante posto que em dias normais, os últimos quilômetros são de arrasar. Mas dessa vez, me sentí leve, sem dores nenhuma, nem a da bursite.

E conversando com esse meu maigo dá até pra tentar entender porque a gente acaba pulando o descanso ou achando que o fato de treinar leve em dia de descanso vai mesmo fazê-lo descansar. Esse meu amigo começou a correr há aproximadamente 2 anos. Tem na faixa de 50 ou 52 anos. Tomou gosto pela corrida e virou ultramaratonista. Até aí, tudo bem, não fosse um detalhe: o cara corre todo santo dia 20km, está na 4a maratona do ano, ou seja, já correu tudo que tinha que correr num ano inteiro e já está se preparando para a p´roxima maratona. Sim, ele ama correr, ama tanto quanto nós, porém, não descansa. Aliás, não descansa nada. O que rendeu tudo isso a ele até hoje? Barato e lesões...em 2 anos ele me confessou que teve e tem todo tupo de lesão que se possa imaginar. O que ele faz para treinar? Toma voltaren.

A pergunta é: Tá certo isso? Mas nem a pau. Eu sei, admito. Pra gente que corre, que treina, que ama a corrida é mesmo um martírio os dias de descanso, até porque a gente "acha" que não está cansado para parar e que fazer outra atividade nesse dia já nos deixa prontos para voltar a enfrentar os treinos violentos de cada dia. Sim, temos mesmo que fazer atividades diferentes, até para mexer músculos diferentes, po´rem muito mais do que isso, temos que tirar aquele dia de folga...chinelão mesmo...

E a gente percebe a diferença logo no dia seguinte ao descanso. O corpo mais leve, as dores diminuídas ou totalmente evaporadas, o treino que rende e aé a diminuição de alguns minutos naquela distãncia que você achava impossível fazer.

Volto a dizer: tem que descansar! porque caso contrário, uma hora pifa e dependendo da coisa, pifa de vez.

O que temos que ter em mene é que em dias de descanso não esamos pedendo um dia de treino, mas sim ganhando mais um dia de coida em nossa vida. Tão importante quanto a alimentação e os treinamentos, o descanso deve fazer parte da vida de qualquer corredor, seja ele amador ou profissional. Mesmo que a empolgação após uma boa prova ou um treinamento produtivo seja grande, é essencial que o atleta saiba dedicar um tempo entre suas atividades para a regeneração.

É claro, se você começar a se inscrever em várias provas, uma atrás da outra, com treinos muito fortes, nem mesmo 1 dia de descanso será suficiente, como foi no meu caso...2 campeonatos ao mesmo tempo, provas paralelas...não deu...tive que ficar de molho 2 dias e confesso: foi a melhor coisa que fiz.

Não é nenhum exagero afirmar que o  descanso  é um ou mesmo o maior dos grandes segredos da melhora dos resultados nos treinamentos e provas. O efeito aparece após o estímulo, quando o corredor dedica pelo menos um dia de sua semana para o repouso total ou regenerativo.

Todo esporte requer o descanso, sem excessão. O descanso tem que fazer parte da rotina de todo atleta. Por exemplo, no futebol, no dia seguinte a uma partida, os jogadores fazem apenas hidromassagem, junto de exercícios bem leves, para que não haja um desgaste excessivo. O problema é que sempre mexemos os mesmos músculos o que acaba sobrecarregando-os e então abrindo uma enorme brecha para as temidas lesões.

Na revista O2, vem uma citação interessante: "A importância do descanso não está só em “poupar” os músculos. Com ele, o atleta ganha em força e velocidade. O exercício físico é sempre uma agressão ao corpo. Com ele o atleta sofre microlesões e acumula ácido láctico. O repouso permite que o corpo seja realinhado e, assim, há uma supercompensação, fazendo com que o atleta fique mais forte".
Precisa dizer mais alguma coisa????? É preciso desenhar?????
Sem o devido descanso não vamos acumular força, nem velocidade, vamaos acumular é desgaste físico e lesões...pelo amor de Deus!!!!!!!

É bem verdade que cada um tem um limite, que cada corpo responde a estímulos diferentes. Eu posso correr 6 dias seguidos e não sentir nada, já outro pode correr 4 e achar que no 5º dia, o ideal é descansar. É tudo uma questão de nível.

Eu procuro fazer o meu descanso total. Já outros, como eu disse, podem optar pelo o que chamamos de repouso ativo, que pode ser feito tanto diminuindo-se a intensidade do treinamento, dando um trote mais leve, até mesmo dentro do treinamento, como uma massagem ou alongamento. Na boa, sou a favor de ficar mesmo sem fazer nada, descansar totalmente mesmo.

Também tem o lance da imunidade. Se a gente exagera, a imunidade baixa e se baixa, o corpo fica aberto à gripes, resfriados, doenças...Não dá pra facilitar. Por que maratonistas e ultras vivem com pneumonia? Justamente pelo excesso de treino...o corpo não aguenta...

Então galera...abre aí a planilha e reveja alguns dias pra descansar...se for muita tortura, vá á locadora..tem tanto filme legal sobre corrida...leia um livro sobre corrida, limpe as medalhas, os troféus...ufa..já fiquei cansada...rs


segunda-feira, 6 de junho de 2011

PÁLPEBRA TREMENDO....



É por isso que eu sempre digo: Tudo que édemais não é legal e consequentemente deixa de ser saudável. Sexta-feira treinei forte...30 minutos de corrida moderada + 5 tiros de 3 minutos pra 3 de trote. Voltei pra casa cansada, atépor ser final de smeana e estar de saco cheio da semana inteira. 

Percebí durante os treinos que minhas pálpebras estavam tremendo e assim fiquei  o dia inteiro. Coisinha chata que muita gente sente de vez enquando, mas como no sábado pela manhã, a coisa não hava parado,resolvi dar uma pesquisadinha....E veio a resposta que eu já estava esperando...

Ansiedade, desgaste muscular crônico causado por esforços repetitivos, ou ainda, algumas moléstias neuromusculares ou metabólicas podem causar o problema.

Os olhos quando tremem involuntariamente, são as pálpebras sinalizando que algo não vai bem. A intensidade de exercícios físicos, a fadiga, o estress podem ocasionar o problema.

Enquanto não vai ao médico uma coisa que pode ser feita é fechar os olhos e respirar calmamente para diminuir os espasmos. Sem dúvida que em quase todos os casos que envolvem cansaço e stress a recomendação é mudar o estilo de vida ou pelo menos, abrandar um pouco. Dormir mais cedo, melhorar a alimentação, incluindo mais frutas e verduras no cardápio, manter uma maior distância ao assistir televisão é uma das soluções alternativas. A carência de magnésio no organismo pode favorecer o tremor nos olhos, por isso a importância de incluir na dieta alimentos ricos em magnésio.

Eu tenho certeza absoluta que foi cansaço e esgoamento físico. No domingo eu devia correr 1 hora e 30, porém resolvi dormir até ás 11:00 horas. Sem peso na consciência. Acordei  sem sentí uma tremidinha se quer...Hoje também não fui treinar. Nenhum sinal de tremida. Acho que ando abusando dos treinos. Me sinto realmente muito cansada...Como diria minha amiga Patrícia: "Eu era uma pessoa feliz e hoje sou uma pessoa cansada".

Preciso repensar algumas coisas.

Aliás, já estou pensando. Recebí uma proposta de trabalho muito boa e terei que me adaptar  a novos horários de treinos. Se antes eu acordava às 08:00, levava meu filho até minha mãe, ia correr, voltava às 11:00 e somente ás 13:00 iria trabalhar...Agora é hora de redefinir a vida e ver se aguenta mesmo o tranco do dia-adia. Terei que acordar às 06:00, levra meu filho até minha mãe, ir correr em 1 hora e às08:30 estar prontinha pra enfrentar a labuta. Eu já estou prevendo uma queda no rendimento, alguns treinos sendo abortados por conta do frio, da chuva...mas a vida é assim mesmo...as oportunidades surgem e nãodápra pensar muito porque elas escapam numa velocidade bem acima dos tiros que a gente dá nos treinos....

Estou feliz, mas também chateada...Tudo bem...Deus sabe o que faz...e eu tenho maisé que agradecer pela enorme oportunidade que me foi dada.

O negócio é se estressar menos...bem menos!

sexta-feira, 3 de junho de 2011

CADARÇOS XTENEX PROMOVE CONCURSO CULTURAL PARA CORREDORES

Há cerca de 2 semanas atrás recebí em casa um par de cadarços da marca Xtenex que chegou ao Brasil apostando nessa novidade para nós corredores.

E eu, que não sou bobinha nem nada...rs...obvimente testei os cadarços para que eu possa afirmar categoricamente sobre a qualidade dos mesmos.

Na boa, eu já perdí pódio por conta de parar para amarrar cadarço no meio da prova. E nem adianta a gente continuar correndo sem parar para amarrar, salvo se não se importar em fazer um verdadeiro strike...tamanho o perigo...Ás vezes a gente chega a apertar tanto o cadarço com medo de desamarrar ou perder chip que os pés chegam a machucar. Isso porque quando a gente corre, eles incham, isso todo mundo sabe, o que explica também o fato de devermos comprar um t~enis sempre com um número maior do que o nosso.

O cadarço começa marcando muitos pontos pelo fato de não precisar fazer laço. Aliás, a idéia foi genial! O material agreagado ao sistema de nós (adorei) dão a sensação de que os pés estão seguros sem que para isso a gente tenha que apertar o máximo. E mesmo com a gente correndo e o pé inchando, devido ao próprio elástico, os pequenos nós ficam intactos. Eu achei fantástico, além de ficar bacana no tênis.


Na minha opinião está aprovadíssimo!!!!! Eu recebí na cor preta, mas tem outras cores bem bacanas também.. Podem ser encontrados nas cores branco, preto, prata, cinza, azul claro, azul Royal, roxo, Pink neon, amarelo neon, laranja neon e verde neon.







Os modelos disponíveis são a Série X200 com 50 centímetros de comprimento, para crianças, a Série X200 com 75 centímetros, indicado para mulheres que calçam entre 35 e 43, e a Série X300 também com 75 centímetros, adequado para a maioria dos homens que calçam entre 35 e 43 e custam aproximadamente R$ 39,00.

E com a proximidade do Dia dos Namorados, a empresa fabricante dos cardarços da marca Xtnex, criou um concurso cultural bem bacana para nós corredores. Os participantes devem responder em até cinco linhas a pergunta “Como a corrida transformou a sua vida a dois?”. As duas melhores respostas, que serão julgadas por uma comissão interna, ganharão um par de Xtenex a sua escolha.

As respostas devem ser enviadas até o dia 10 de junho para o e-mail contato@xtenex.com.br acompanhado dos seguintes dados pessoais: nome, endereço completo, telefone e e-mail. Os vencedores serão notificados por meio do Blog e também por correio eletrônico no dia 13 de junho.


Bacana né... então bora lá correr que a imaginação flui...rs....

quinta-feira, 2 de junho de 2011

UMA HORA A MÁQUINA PIFA....



QUAL O MAIOR MEDO DE UM CORREDOR? 100 em 100 corredores responderiam ertamente que o maior medo´lesionar-se. E é mesmo.

Eu havia dito no post anterior que após dia 11 de junho, o volume de treino iria diminuir bastante, posto que a p´poxima competição seria apenas em julho. Nada disso. Hoje ao verificar o calendário do Campeonato Santista tomei um baita susto. A 3a etapa acontece logo na semana seguinte, dia 19 de junho.

Na boa...não sei se vou agunetar o tranco. Desde o dia 17 de abril eu estou praicamente competindo semana sim, outra não. A troca de planilhas entre uma competição e outra tem me dado a sensação de que a qualquer momento eu vou quebrar no meio.

Sinceramente estou pensando em abrir mão do Campeonato Sanstista. E abrir mão não implica dizer não correr, mas simplesmente participar e terminar seja qual for o tempo. Estu com medo de sofrer o mesmo que sofri em 2009 quando no auge dos meus treinos, deu pane total e tive que parar 2 meses e meio. Se o´lema do meu blog é CORRER BEM PRA CORRER SEMPRE, não é competindo sem parar que eu seguirei o lema à risca.

Ainda não sei o que faço. Há competições importantes que irei participar, como a do dia 08 de agosto em São Paulo e a Meia Maratona de Buenos Aires...Não quero estragar tudo por achar que se eu não to sentindo dor é porque tudo vai bem. Na verdade ando sentindo umas dorzinhas no lado direito do glúteo...o que me assusta porque me remete à bursite trocantérica que me fez chorar rios de lágrimas na fisioterpia...

Não sou mulher maravilha e portanto, não p´reciso aguentar sempre o tranco. Participar de 2 campeoantos já é bem dificil, muito mais quando envolve provas de 5km, que te sugam muita energia e dinâmica durante os treinos. Hoje por exemplo, fiz 60 minutos moderados + 3 tiros de 30segundos, voltando 30 de trote. Faz parte da planilha dos 5km...mas depois já entro na planilha dos 10km que envolve muita rdagem...Não sei não...preciso pensar direitinho...