quarta-feira, 1 de setembro de 2010

A DOR EXISTE....CUIDADO COM A CURA...






Eu sempre tive uma opinião bem clara sobre tomar qualquer tipo de medicamento: Só tomar se realmente precisar. Tem gente que por qualquer dor de cabeça, já se entope de Novalgina. Outros por qualquer dorzinha muscular, uma pontadinha de nada já lança logo um Cataflan pra dentro. Tenham certeza quando eu tomo um remédio minha dor está no ápice e por isso também tenham certeza de que é só eu tomar o remédio para que em poucos minutos a dor vá embora....Por que....porque meu corpo não está acostumado a medicamentos e por consequência a dor também não.. portanto, quando tomo o remédio ele rapidamente consegue combater o que está me encomodando....


Meu pai é assim.. dor no pescoço .. cataflan....dor no joelho.... cataflan....dor não sei aonde cataflan....Dia desses fez um exame de sangue e viu que uas plaquetas estavam baixas....sabe o que descobriu? que todos os anti-inflamatórios que ingeriu pode ter ocasionado uma púrpura....


Eu tenho púrpura. É difícil explicar o que é.... na verdade é uma diminuição de plaquetas. A plaqueta sanguínea ou trombócito é um fragmento de célula presente no sangue que é formado na medula óssea. A sua principal função é a formação de coágulos, participando portanto do processo de coagulação sanguínea.


Uma pessoa normal tem entre 150.000 e 400.000 plaquetas por mm³ de sangue. Sua diminuição ou disfunção pode levar a sangramentos, assim como seu aumento pode aumentar o risco de trombose. Eu variu entre 80 e 100 mil plaquetas, portanto, sou portadora de púrpura palquetopênica moderada. Atéhoje sou um mistério...rs...Os médicos me diziam que não podia correr de jeito nenhumpois corria risco de ter uma hemorragia cerebral a qualquer momento...Participar de provas? nem pensar....e ter filhos então? O médico chegou a dizer com todas as letras que caso eu engravidasse, eu ou meu filho morreria na mesa de parto...Meu filho está aí, lindo de morrer e minha médica hematologista chegou a se emocionar quando o viu pela 1a vez dizendo que aquilo era um milagre de Deus! Ouvir isso de médico....


Mas por que estou falando sobre isso???? Justamente para alertá-los sobre o uso insdiscriminado dos anti-inflamatórios.


No noso meio... a corrida, acontece muito disso....É só a dor aparecer para alguém dar o seguinte conselho: “Nem precisa ir ao médico, com certeza ele vai te passar um antiinflamatório”. Parece simples tomar por conta própria um medicamento que tira a dor. Mas a função desse tipo de remédio vai muito mais além de anestesiar o corpo.


Segundo Ricardo Munir Nahas, ortopesdista médico do esporte e diretor científico da Sociedade Brasileira de Medicina do exercício e do Esporte , esses medicamentos são mais utilizados nas lesões traumáticas agudas pela sua função analgésica e em algumas lesões crônicas também, mas sempre a critério do médico e somente quando é por ele prescrita.


Olha só..muitas vezes a gente consegue a cura sem os tais antiinflamatórios, mas o que aocntece é que a gente quer por que quer abreviar a dor. No meu caso. Quando sofri Síndrome do Piriforme em novembro do ano passado, optei por competir até dezembro, oq ue dificultou a cura. Tratada pelo Dr. Márcio, este totalmente contra antiinflamatórios na cura de lesões e sendo paciente do Dr. Medina (hematologista), ambos foram enfáticos: "Você não pode tomar antiinflamatório nenhum, pois eles abaixam suas palquetas e assim trará risco de hemorragia...você só tem que repousar". Bom.. repousar.. beleza..mas repousar quanto? A palavra repouso para quem corre soa como paciente terminal...rs...."Repousar até a dor passar... pode ser em 15 dias como pode ser em 3 meses..." Na boa, eu quis morrer, pois realmente demorou 60 dias intermináveis.....chatas sessões de fisio, mas resolveu???? Resolveu....senti dor???? Nadinha.. Tomei algo? Não....



Para entender a função dessas substâncias é preciso saber também como funciona o corpo quando existe uma lesão. Nesses casos, o organismo tende a desenvolver uma série de sintomas para evitar que o corpo se movimente com facilidade e agrave o problema, como a dor e os inchaços. Com o passar do tempo, o organismo tende a regredir nesse processo e o tratamento pode começar a ser realizado. Mas para que isso aconteça rapidamente, os médicos aplicam os antiinflamatórios. “O uso de antiinflamatórios ajuda no processo de recuperação no atleta, pois acelera esse processo natural para que o médico possa realizar o tratamento”, explicou Renato Romani, médico do esporte e professor do CEMAFE (Centro de Medicina da Atividade Física e do Esporte) da Unifesp.


Mas existe um cuidado especial que o atleta deve tomar quando faz tratamento com antiinflamatórios, que é o fortalecimento por meio de fisioterapia. “Toda vez que se intervém em um processo natural do corpo, é preciso fortalecer a musculatura e os ligamentos. Por isso, a fisioterapia é indispensável”, afirmou Renato Romani. Além disso, é preciso procurar orientação média para que o efeito seja um aliado do tratamento da lesão e não apenas um regulador de sintomas.

Qual antiinflamatório é o seu?
A pergunta parece estranha se levarmos em consideração que esses medicamentos devem ser recomendados apenas por profissionais e em casos específicos, mas na prática não é bem isso que acontece. Muitos atletas têm na ponta da língua nomes de diferentes remédios, qual é melhor para cada tipo de sintoma. Mas essa prática pode ser perigosa.

Existem atletas que usam indiscriminadamente o antiinflamatório. Às vezes, até depois do treino por causa da dor. Mas é preciso entender que a dor excessiva após o treino é resultado de um erro no processo de treinamento e tirar a dor com medicamentos pode mascarar uma lesão mais séria e gerar um estresse no organismo, pois a lesão se potencializa”, explicou Romani.

Isso significa que aqueles atletas que acham que tomar um antiinflamatório para amenizar a dor não causa nenhum dano podem começar a se preocupar. Além de esconder uma lesão mais grave, os efeitos colaterais de um medicamento sem prescrição podem ser ainda mais incômodos. “Aqueles que são suscetíveis podem ter alergia, dores de estomago e alterações intestinais em intensidades variadas, entre outros”, diz Ricardo Nahas.


Por isso galera....presem atenção.... Nós corredores sabemos sentir dor...acho que até desenvolvemos uma certa resistência a ela, principalmente quem treina forte. Dor muscular é normal, até porque se não sentimos uma dorzinha voltamos pra asa com aquela sensação de que o treino não rendeu muito....Mas não precisa chegar em casa e se entupir de antiiflamatório....isso passa no dia seguinte....Mas alto lá.... nem toda dor também é muscular....tem que ficar esperto....e se precisar tomar qualquer medicamento, que seja por indicação de um especialista....até porque o lema aqui é : CORRER BEM PARA CORRER SEMPRE!

fonte: O2

2 comentários:

CANELAFINA disse...

Mandou ver muito bem . Texto muito esclarecedor e um alerta contra o uso indiscriminado de medicamentos. E esta correto como afirmastes , a dorzinha pos treino puxado, dura comigo uns dois a tres dias, tempo que julgo necessario para me recuperar, não só recuperação muscular mas do resto do organismo tambem, inclusive no meu caso procuro repor muita ennergia preparando proxima corrida.
Um abraço, Eduardo mattos

Marli disse...

Muito legal esse post, comecei correr em março desse ano e graças a Deus até agora não tive nada, não precisei de nada... eu aprendo muitas coisas lendo seus post´s, afinal vc tem muita experiência!
\o/simbora treinar
\o/ simbora correr
www.marlipalugan.blogspot.com
Twitter:@marlipalugan