domingo, 17 de junho de 2012

PSICOLÓGICO: O GRANDE VILÃO DA CORRIDA

 
 
Há algum tempo atrás, em meados de julho/agosto de 2011, passei por uma fase pessoal muito difícil. Na ocasião eu estava disputando o Campeonato Santista e o Circuito das Praias em dupla, porém, devido aos acontecimentos, desistí do Circuito e corri o Campeonato por amor à equipe ao esporte, porém totalmente desmotivada.
 
Eu queria treinar, mas não conseguia. Eu tinha vontade, mas estava paralisada. A mente, o psicológico foi mais forte do que eu.
 
E foi em maio desse ano, quase 1 depois que sentí de novo aquela vontade adormecida pulsar. Aquela coisa de querer treinar duro pra voltar ao tempo que eu considerava bom pra mim. E novamente fui surpreendida por uma séries de acontecimentos.
 
Porém, não sei o por quê exatamente, ao contrário do que me aconteceu no ano passado, eu estou mais motivada, e desconto na corrida todas as minhas preocupações e aborrecimentos de forma positiva, como por exemplo na semana passada, que achei fosse ter uma síncope nervosa de tanta raiva e fui treinar mesmo assim. Conclusão, fiz os 10k que dois dias antes havia feito em 52, em 49 min. Essa semana aconteceu de novo, correndo a mesma distãncia em 47:55.
 
O que eu quero dizer é que a mente pode trabalhar como uma forte aliada ou o seu pior inimigo. Quem nunca passou por coisa assim: treinou certinho, está bem condicionado, com um tempo execelente, porém no dia da prova, é surpreendido pelo nervosismo, ou pelo psicológico que te faz acreditar que você não vai conseguir.
 
Eu mesma costumo dizer aqui, até nas narrativas d eminhas provas que eu corro, convresando comigo mesmo durante o percurso. "Eu vou conseguir, treinei pra isso, fiz esse mesmo percurso em "x" tempo, vou fazer hoje tambem". Parece meio coisa d emaluco beleza, mas é assim que deve funcionar quando queremos bons resultados, ou seja, manter tortal controle sobre o psicológico.
 
Quem corre maratona sabe bem o que é isso: a tão conhecida barreira dos 30km. Claro que todos nós temos nossas barreiras, assim como aquele que corria 5km e apassou a correr 10k. "Será que consigo dobrar a distãncia? É o momento". E aquele que encara os 21km pela primeira vez ou segunda ou terceira..."Hoje tá quente, será que aguento ficar correndo por 2 horas?"...
 
E na boa, isso não depende de gente te apoiando não. Pode vim técnico, colegas, marido, equipe, mas se naquele dia, o psicológico for mais forte do que você, todo os seu esforço vai por água abaixo. É a danada da barreira psicológica que nos trava de tal forma que nos sentimos, apesar do bom preparo, totalmente despreparados.
 
Eu mesma durante muito tempo e confesso, até hoje, tenho um sério problema quando chega o 6km. Eu venho bem, rasgando, mas quando vejo a tal placa, parece que até a respiração muda. E o psicológico, safado insiste em atazanar: "Diminui o ritmo porque você vai quebrar, não vai conseguir". Muitas vezes pensei até em desistir. Até um dia em que vi a placa dos 6km e pensei: É agora! Apertei mais ainda o ritmo, e dane-se se eu fosse quebrar. Mas repetia o tempo todo: "Não pára, não pára, você consegue". E n´~ao é que conseguí e fiz meu segundo melhor tempo: 0:46:48. Desse dia em diante (não sei ainda este ano), não me assusto mais com os 6km e tento vencer o psicológico sempre repetindo que vou conseguir.
 
Geralmente o psicologico se atormenta quando em alguma ocasião, a coisa deu errado. No ano passado, comecei a pegar gosto pela distãncia dos 5km. Achei fascinante. Treinos rápidos, porém eficientes. Era pá-pum e quando a gente via, tinha chegado ao fim. Na 1a etapa do Circuito, eu cheguei cambaleando, a boca torta, o corpo não obedecia, eu tive que segurar no alambrado. Jurei nunca mais participar de uma prova daquela, devido ao sofrimento que tive. Na segunda etapa, eu estava lá, de novo, porém com o psicológico enchendo o saco. Sobreviví. Passei lá meus 22 minutos repitindo: Eu consegui uma vez, vou conseguir de novo, vai ser rápido, vai ser rápidp e quando mais ra´pido eu for, mais rápido terminará. Eu sei que é complicado você conseguir pensar em alguma coisa boa durante um sofrimento, mas eu consegui.
Na verdade acho que é isso que temos que fazer numa prova, onde o psicológico  onde o psicológico fica latente em todo o trajeto. Se a prova for curta, pense rápido, bora que o percurso é rápido e vou acabar logo com isso. Se for prova longa, pense em várias coisas, vale até pensar nas tarefas do dia seguinte.

Tem gente que usa o MP3 como uma arma contra o psicológico. Porém, é meio temeroso. Uma maiga minha teve o seu mp3 molhado por um corredor, e simplesmente parou, pois estava acostumada a correr com o som. Eu também já passei por isso. Poré, acho que qualquer tentativa é válida na luta contra a mente. O importante é não fraquejar, não se abater. Ainda que você quebre, ainda que não faça o tempo esperado, continue, mostre que apesar de tudo, você foi forte até o final e não desistiu fazendo o seu possível. Imagine a linha de chegada, a dor é psicológica também. Respire fundo, reze se for preciso, mas não sucumba, até porque se desistir uma vez, será bem complicado acreditar que isso não acontecerá de novo. Já, se enfrentar a sua mente, da próxima vez, lembrará que saiu vencedor da batalha e aí sim, a guerra está no papo!

3 comentários:

Marcus disse...

Oi Luciane!
Então seu "combustível" é a raiva, né? rsrsrs.É como vc falou: o psicológico é fundamental, mas se vc não estiver treinada não tem raiva que vá melhorar seus tempos. Pelo q percebi nas melhoras de seus tempos nos treinos de 10km, seus métodos de treinamento estão dando resultados. Mas já q a raiva ajuda, inclua na sua planilha 2x por semana,kkkk. Brincadeira, é só pra te descontrair. Abraço e siga em frente.

Neila Carvalho disse...

Luciane, confesso que desde o primeiro dia que eu comecei a correr (e que era 30 s) eu travo uma luta na minha cabeça para não desistir... não sei como vai ser quando estiver correndo 10 km, 15 km, 21 km etc.
Beijinhos e continue firme.

Neila
www.feliznamedidacerta.com

Ms Harkins disse...

Luciane, confesso que a raiva me impulsiona também - embora meu pace seja bemmmmmmmm abaixo do teu!

Fica focada na meta, pensa no fim do túnel, te promete algo que vais conseguir!

Abç