domingo, 17 de abril de 2011

PEQUENOS TÉCNICOS, GRANDES CRETINICES...

Hoje aconteceu a 1a etapa do Campeonato Santista. Eu estava lá. Mas antes de falar da prova, preferí dar importância, aliás, bem maior, a um fato que me deixou realmente muito chateada e preocupada.

Estava eu na fita da largada, quando uma colega de categoria me cutucou: "E aí, td bem? Eu vou correr de boa. Estou com problema na coluna. Tive que passar no hospital e tomar uma injeção de Voltaren para poder correr". Espantada com o comentário, até porque sou contra correr com qualquer tipo de dor que não seja em decorência dos treinos, perguntei: " Pw, mas por que tu vai correr assim? Não pode. Esta dor pode te afastar por meses da corrida".

E quando eu achei que tivesse ouvido tudo, ela seguiu dizendo: "Eu tenho que correr. Eu falei pro cara da equipe que estava com muita dor. Que estava há 4 meses sem treinar, mas ele disse que eu tinha que correr. E o pior ele ainda me inscreveu para a Meia de São Paulo e os 25km de Bertioga".

Diante disso, eu apenas balancei a cabeça num sinal negativo e pedí para que se cuidasse e que a corrida e a atitude dele é um contrasenso.

Vocês podem nem acreditar, mas fiquei o percurso inteiro com isso na cabeça. Não vou citar nomes, mas essa colega faz parte de uma conceituada equipe da cidade de Cubatão. São conhecidos por descobrirem muitos talentos e geralmente os seus atletas são de ótimo nível.

Mas a pegunta que fica é: A QUE PONTO ESSAS EQUIPES SACRIFICAM SEUS ATLETAS POR BOAS COLOCAÇÕES?

Sinceramente lamentável. Participar de uma equipe, ter um técnico vai muito além de pódios e resultados. O papel do técnico é justamente entender o seu pupilo. Saber quando está no auge e ter a certeza de que aquele momento é o certo para parar e procurar um tratamento. Fazê-lo correr com dor é afirmar sem nenhum pingo de dúvida que de técnico esta pessoa não tem nada, muito pelo contrário, a incompetência é um adjetivo pequeno para nomeá-lo.

Ter uma equipe ou participar dela é fantástico. Eu mesma faço parte de uma equipe que tem como prioridade incentivar o abandono ao sedentarismo. Muito mais do que você estar no lugar mais alto do pódio ou mesmo estar entre os melhores, é o incentivo que a equipe nos transmite, a alegria de ver cada um d enós cruzar a linha de chegada seja com 36 minutos ou com 1 hora e 15..tanto faz, desde que o faça com responsabilidade e saúde. E se alguém está lesionado..."Pára menino, vá se tratar, depois você volta". É assim que tem que ser. E lá não temos técnicos, apenas amadores que de certa forma sabem o que é o correto fazer.

No entanto aqueles que possuem um técnico, no mínimo contam com ele para fazerem a coisa certa. E obrigar o atleta a correr com dor, lesão ou qualquer coisa que fuja da normalidade, é jogar pelo ralo toda a confiança que o atleta deposita em seu técnico, o qual tem obrigação de cuidar do mesmo para que ele tenha vida longa no esporte.

Sinceramente fiquei muito triste com o que eu ouví. E apesar de saber que realmente esse tipo de técnico (de cretino) exista, ainda Assim, fiquei muito assustada com o grau de irresponsabilidade que eles aplicam aos treinos. Quanto a essa colega, também foi errada. Antes de estar em uma equipe, ela deveria pensar em sua saúde, no que ela sente. Não devia correr e pronto. Nada de injeções. Nada de dar um passo com dor. E quando la cruzou a linha de chegada, eu perguntei se ainda sentia dor e para minha surpresa ela me disse que estava procurando um posto médico, já que não estava aguentando mais.

Lamentável e muito triste.

4 comentários:

DricaPeixoto disse...

Lamentável mesmo. Hoje foi a corrida da Ponte Niterói aqui no Rj, ví muitos atletas chegando aos trancos e barrancos ... sem nem conseguir correr em linha reta. Ele deu tudo de si, ou extrapolou seus limites? Correr com dor não dá, correr com despreparo tb não. Lamentável mesmo!
Bjs

GILMAR FARIAS disse...

Luciane,
A corrida é algo que nos dá prazer e saúde. Já escutei depoimentos de corredores que tomam muitos analgésicos antes e depois das provas.
Concordo com você, é um contrasenso.
Valeu!
Gilmar
http://fotocorridagilmar.blogspot.com/

Fabi disse...

Lamentável (2) fiz minha primeira meia maratona doente,mas foi por vontade própria,ainda bem que sou amadora e treinador nenhum me obrigada a nada.

Bons Kms

Mayumi disse...

Vixe, Luciane, tem certeza de que era o treinador dela que disse para ela correr assim? Ou foi desculpa dela para poder correr de qq jeito porque ela queria? Rsrsrs. Tem cada um! Na nossa equipe, qq dorzinha, fica de moljo! Kkk. Não deixam correr, não! Não importa sevc é amador ou profissional, o tratamento é o mesmo! Dor, já pra casa! E assim que melhorar, voltamos e aí, não tem moleza! Kkkkkk.
Bom final de domingo de Páscoa! Bjs.