quarta-feira, 31 de dezembro de 2008



RETROSPECTIVA..


Falar sobre mais um ano que se foi, pra mim é sempre um misto de alegria e nostalgia. São tantas coisas boas, tão poucas ruins que juntas formam um longa metragem na cabeça. Esse ano, em especial, foi o melhor ano da minha vida, pois foi marcado pelo nascimento do meu filho e pela minha determinação em voltar às corridas após à gravidez.
Janeiro: Foi um mês muito bom, meu aniversário, aniversário do meu marido, da minha mãe. Ûm calorão e minha barriga lá, crescendo, crescendo....


Fevereiro: Carnaval. João Victor na barriga já sentia o que lhe esperava: uma mãe totalmente doida...e louca por uma bagunça...Aos 8 meses, lá estava eu na Rua XV dançando marchinhas de carnaval...Nesse período eu já estava apreensiva, preocupada. O grande momento estava chegando e pensar que dali há um mês eu seria mãe, me trazia sensações de medo e ao mesmo tempo alegria. Era uma confusão só...

Nesse mês também fiz meu chá de bebê. Foi uma diversão só. O tema não poderia ser mais propício do que carnaval. A festa foi à fantasia e eu estava de... bebê...rs.....Foi difpicil convencer as pessoas, depois disso, de que eu poderia ser uma boa mãe...kkkkkkkkkk....pois aos 8 meses, descer até o chão e pular sem parar...talvez não fosse para qualquer grávida não...só as atletas...rs....

Março: Dia 23 de março. Domingo de Páscoa. A bolsa estourou. Um corre-corre sem fim dentro de casa. Eu estava calma. Meu marido desnorteado. Meu pai nos levou ao hospital, mas antes disso, conseguiu levar a porta de um carro que estava aberta no meio da rua. Parecia coisa de filme. Eu segurando a barriga com a bolsa estourada, meu pai discutindo com o cara, meu marido pedidno calma. Todos os sinais vermelhos até chegarmos à Casa de Saúde de Santos. Eu continuava calma, pois não sentia dores. A médica avisou: " É hoje"...Já estava com 6cm de dilatação e nada de dor! Como explicar? Nem a médica conseguiu essa façanha. Apenas me perguntou se eu desejei o parto normal, pois nessa hora o psicológico é dono da situação. E assim foi. E menos de 2 horas depois, lá estava João Victor de parto normal, exatamente às 22:20 hs, pesando 2.900grs e 47,5cm...saindo de dentro de mim. E já veio ao mundo mostrando a que veio...sem chorar...homem, macho com "M". Lembro bem, que a primeira coisa que fiz foi contar os dedinhos dele. Nem sei o por quê, mas...nessa hora não dá mesmo para explicar os por quês. No corredor meu amrido chorando, me beijou e disse: Oh, minha guerreira, eu te amo..nosso filho é lindo! Inexplicável e indiscritível a sensação de ser mãe. Tenho certeza que nunca na minha vida, sentirei algo tão maravilhoso. Um amor incondicional. Um ser que fez nascer em mim e em meu marido um amor tão grande e para vida inteira!!!!

Abril: Começa o Campeonato Santista. Apesar de fazer 1 mês que tive meu filho, ainda não podia correr, pois ainda não dava para treinar. Confesso que isso me deixou muito triste, mas...sabia que eu voltaria logo logo, só não sabia quando.


Maio: Pensei 784 vezes em participar dos 10km da Tribuna FM. Vinha participando dessa prova desde 2000 ininterruptamente e ficar fora dela também me deixou muito, mas muito triste mesmo. Nesse mês também aconteceu o Challenge Day. Uma prova noturna com saída às 0:00hrs, de 7km onde duas cidades disputam quem leva mais atletas a praticar uma atividade física. Mesmo estando 5kg acima do peso e não me preparando devidamente terminei a prova feliz da vida...

Junho: Período em que eu estava realmente triste. Treinava, mas me sentia cansada, não tinha horários. Ainda estava pesada e confesso que duvidava que eu poderia voltar à minha forma física anterior. Aconteceu a 2a etapa do campeonato santista e eu ainda estava sem condições de correr uma prova de 10km. Todavia, no mesmo mês, no dia 26, me encorajei e lá fui eu para a 3a etapa do Campeonato. Sim, eu estava de volta! E agora fazendo parte da equipe dos Matungos, Pangarés e Amigos. Gente bacana, disposta a praticar esporte e só...sem competição, sem cobranças, mas com uma enorme vontade de fazer amizades...E digo mais, fui bem melhor do que podia imaginar, pois achava que faria os 10km para 0:58 e acabei fazendo em 0:55:40, o que pra mim, foi um ótimo resultado.


Devo dizer que ir embora sem esperar a premiação me deixou um pouquinho chateada. Ver as minhas concorrentes (sempre as mesmas) subir no pódio e constatar que o meu lugar foi ocupado por outra era uma realidade dura. No entanto, naquele momento o importante era ter terminado e ter conseguido voltar a competir. Sabia que o trabalho dali pra frente seria árduo, pois a paciência (coisa que eu não tenho) deveria ser a chave para minha volta à forma física.

Julho: Um pouco mais confiante, intensifiquei meus treinos, mas ainda estava preocupada. Os 5 quilos restantes ainda faziam com que eu não rendesse tanto quanto eu poderia. Meu filho já colaborava, dormia bem, e eu podia treinar, mas mesmo assim, os tais quilinhos não estavam de brincadeira não. Ainda não sabia como me livrar deles, mas tinha a certeza de que eu tinha que fazer isso o mais rápido possível. Eis que chega a 4a etapa do Campeonato. Era uma questão de honra. Agora as minhas concorrentes não eram tão importantes para mim, pelo menos não naquele momento. Eu tracei uma luta contra mim mesma. Queria abaixar o meu tempo custe o que custar...Dei duro durante a prova. Os 5 quilos, já eram 3....o que me rendeu um tempo líquido de 0:54:04. Agora sim, sentia firmeza em mim mesma e acreditava que nem tudo estava perdido.

Agosto: Agora sim. Tinha enxugado tudo que não me pertencia mais. Eu estava feliz, confiante. 5a etapa do campeonato. Meu maior expectador: meu filho. Veio como um talismã para mim. Jurei abaixar meu tempo e dedicar qualquer que fosse o resultado a ele. A tática passou a ser a adotada até hoje, a qual eu chamo de ROLETA RUSSA...saio como louca, se tiver pernas para terminar, ótimo, caso contrário, senta e chora. Se funcionou??? E como, terminei a prova em 052:59 e um baita sorrisão no rosto, já que nem antes de engravidar eu estava fazendo esse tempo.


Aí, me empolguei de vez e me inscrevi para a Corrida dos Morros, que apesar de ser curta, apenas 5km, exigia um esforço físico bem grande, já que era um sobe desce sem fim. E lá fui eu, agora podendo voltar a se intitular atleta...rs...Não curti a prova, apesar de ter ido muito bem, pois comecei a sentir dores no tornozelo. Aquela prova fez com que pelo menos 15 dias teinasse com cautela, diminuísse a intensidade dos treinos e me fez jurar nunca mais correr de novo...pelo menos naquele morro não...rs...Agosto realmente foi um mê de corridas. Também participei da Meia Maratona da Praia Grande. Já havia participado da 1a e 2a edição, a 3a e a 4a não pude, pois na 3a eu estava em Lua de Mel e na 4a, eu estava grávida. Foi bem bacana, voltar às provas longas. Conheci do Régis do blog amo correr...Aliás que simpatia!!!! rs....Isso mereceu uma foto...Ficamos juntos até a largada, depois, o Régis fez o bip-bip dele e me deixou a comer poeira...Ainda te pego Régis...rs

Setembro: Fim do Campeonato Santista. Eu tinha que fechar com chave de ouro. Tinha que diminuir ainda mais o meu tempo. Mas como??? Passei a adotar uma alimentação bem melhor, fquei 1,5kg abaixo do meu peso nornal. Me sentia leve. Intensifiquei os treinos. Me sentia cansada, mas sabe...feliz, feliz...Meu pai não foi, pois estava lesionado, mas me acompanhou.

Passou o tempo todo dizendo o quanto tinha se arrependido de estar ali e querendo a todo custo largar no meio da multidão mesmo que tivesse que parra no meio do percurso. O resultado??? mais de um minuto abaixo do meu tempo...e uma despedida do campeonato de 2008 bem do jeito que eu queria. Nossa equipe tirou fotos e prometeu.. aliás, promessa é dívida, que no ano que vem vamos estar lá e melhor, nos multiplicando feito coelhos...rs....


Outubro: O mês passou traquilamente. Aproveitei para descansar bastante, diminuí os treinos, até porque a p´roxima competição só seria em dezembro. Mas sabe, senti uma falta imensa de ter aquela obrigação de treinar...coisa de corredor...adora viver sob a pressão dos treinos...rs....

Novembro: Estava doida.. Procurava provas para correr, mas nenhuma me atraía, ou era no interior, ou era etapas em São Paulo que eu não tinha a mínima vontade de participar. O jeito foi esperar. E a espera foi menos difícil, já que o marildo, do blog 4 corredores, me mandou um e-mail dizendo que o Fábio do Jornal "A TRIBUNA" queria fazer uma matéria comigo e com a Patrícia (filha dele) sobre a corrida das mulheres. "Claro que simmmmmmmmm" foi o que eu disse. E depois de tantos desencontros, já que uma hora um podia e o outro não...fiz a matéria para o jornal com direito a foto e tudo...rs...



Dezembro: Enfim chegou. Já estava feito siri na lata. Precisava correr, precisava competir, precisa sentir o cheiro de suor, o que foi bem difícil, posto que a prova era apenas destinada às mulheres. Então, vejam, o máximo que eu sentir foi cheiros e mais cheiros de hidratantes, perfumes e rosas...Estava preparada para correr em 42 e me posicionei na placa cujo tempo apontava 37 a 43...E num dia, onde o sol foi meu companheiro fiel até o final, fiz um tempo de 40 min.


Empolgadas, tanto eu quanto Patrícia não queríamos parar. Não, o ano não poderia acabar ali não...Tinha que ter a saideira...rs...e eis que na semana seguinte voltamos ao Guarujá, para correr a última etapa do Circuito das Praias. Eu tinha esperanças de brigar por um pódio, mas acima de tudo queria dar trabalho às minhas adversárias. Queria mostrar para elas que os dias de corridinhas fáceis acabaram, pois eu estava ali para tentar atrapalhá-las o quanto eu podia. Treinei muito naquela semana. Queria fechar o ano bem, com aquela sensação de dever cumprido, com a sensação de que fiz o meu melhor. E garanto à vocês.. fiz o meu melhor meeeeeeesmo, o que me rendeu o meu 3º lugar no pódio!!! Uma alegria tamanha que fiquei passei a semana toda incrédula do que tinha contecido. Sim, eu treinei, sim, eu tinha esperanças de subir no pódio novamente, sim, sim, sim minha gente...mas quando aconteceu, realmente eu constatei que todo o meu esforço durante o ano, tudo que eu passei, todas as minhas inseguranças, os meus medos, tinham ficado para trás e que a minha determinação e força fez de mim novamente uma campeã!!!! Buáááááááá´..... me arrepio sempre que lembro...E agora, mais um ano se foi....e outro está batendo na porta.. e sabe o que significa???? Muitos e muitos quilômetros para rodar, muitas alegrias, muita pressão, muito cheiro de suor, muita adrenalina, medalhas finisher, pódios (quem sabe)...e é assim, com muita esperança de que tudo será ainda melhor em 2009, é que desejo a vcs um ótimo ano e é claro...muitos quilômetros!!!!!!!!!

2 comentários:

joaquim adelino disse...

Foi um Ano em cheio.
Mas a maior glória foi o de ser mãe.
Não há outra igual.
Os meus parabéns pelo Ano cheio de glórias.
Um abraço.

Triblog disse...

Feliz Ano Novo Lucy, só de ler a primeira parte (do parto do filhote), já dá para ver que você é uma vencedora!