domingo, 13 de janeiro de 2008


QUEM DISSE QUE MENTIRA SÓ FAZ O NARIZ CRESCER?

A ex-velocista americana Marion Jones, que já havia confessado o uso de esteróides anabolizantes para a melhoria de sua perfomance nas pistas, foi condenada pela justiça norte-americana nesta sexta-feira a cumprir seis meses de prisão.
A corredora, de 32 anos, foi considerada culpada ao mentir para agentes federais no caso em que seu nome aparecia ligado ao laboratório BALCO, da Califórnia, que criou o esteróide THG (tetrahidrogestrinona). A atleta confessou posteriormente que havia tomado durante dois anos o produto 'The Clear' (O Limpo), produzido pelo laboratório químico.
Além disso, Jones está envolvida em um escândalo de fraude bancária e lavagem de dinheiro que também envolveu seu treinador na época, Steve Riddick, seu agente, Charles Wells, e seu ex-namorado, Tim Montgomery, que em 2005 também foi barrado no exame antidoping.
"As acusações aqui são sérias. Cada uma delas implica em mentiras ditas durante três anos", disse o juiz Kenneth Karas, que cuidou do caso, ao pronunciar seu veredicto final. O magistrado afirmou que Jones 'não só tinha cometido um erro, mas uma série de tentativas de romper com a lei'.
Marion Jones já havia sido punida na justiça desportiva pelo uso de substâncias proibidas. A ex-atleta perdeu três medalhas de ouro (100m, 200m e revezamento 4x400m rasos) e duas de bronze (salto em distância e 4x100m), que havia conquistado nas Olimpíadas de Sydney, além de ter seu nome apagado nas provas que disputou nos Jogos de Atenas, em 2004.

A máxima de que mentira faz o nariz crescer vai além...rs... além de fazer o nariz crescer, faz também perder medalhas e de quebra passar uma temporada na prisão...
Os seis meses de cadeia sentenciados a Marion Jones já começaram a repercutir no mundo do atletismo. Por meio de seu diretor de comunicação, Nick Davies, a Associação Internacional de Atletismo (IAAF) lamentou o episódio, mas ressaltou que acredita na importância do evento como um aviso aos atletas que pretendam se dopar no futuro.
Seis meses na prisão é muito tempo e acredito que a família de Marion está muito triste nesse momento”, declarou Nick Davies, em entrevista concedida à agencia de notícias Reuters. “Mas isso com certeza machucou a imagem do esporte”.
Mesmo assim, o diretor de comunicação da IAAF acredita que o acontecido pode ter seu lado positivo. “Esperamos que isso sirva para impedir novos casos. Além disso, temos confiança de que, quando ela estiver fora da prisão, poderá ajudar a Iaaf e outras organizações a garantir que outros não sigam seu caminho”, afirmou.
Aliás, esse foi um dos argumentos para a punição severa da atleta. A idéia da justiça norte-americana é tentar dar um aviso a futuros atletas que se envolvam em atividades ilícitas e prejudiciais ao esporte.
Quem também concordou com Nick Davies foi o chefe do Comitê Olímpico Norte-americano, Jim Scherr. “É uma decepção que uma atleta desse talento tenha tomado essa decisão. Mas esse acontecimento pode servir para dar uma lição aos jovens sobre a importância de fazer boas decisões e honrar o valor de uma competição limpa”, finalizou.

É Marion... quem sabe esses 6 meses a faça refletir e posteriormente, criar algum programa de palestras sobre o assunto alertando a todos os atletas que drogas e esporte definitivamente não combinam....

Um comentário:

amocorrer disse...

Oi Luci, obrigado pela visita em meu blog, seja sempre mto bem vinda, eu visito constantemente o seu alias esta ja no meus favoritos, uma boa semana pra vc...e ai ja nasceu o futuro(a)corredor(a)?um abraço Regis