sábado, 12 de janeiro de 2008


VIOLÊNCIA E MEDO DA MORTE NO QUÊNIA PREJUDICA O ATLETISMO..
Um fato muito atual tem me deixado extremamente triste: as mortes no Quênia. Desde que Cheryout desistiu de correr a Corrida dos Reis em Cuiabá, da qual Frank Caldeira saiu vencedor, porque não conseguira contato com seus familiares, já pude sentir o clima de tensão vivido pelos atletas. Todavia, ontem algo mais triste ainda aconteceu....
Lucas Sang, corredor olímpico que participou das Olimpíadas de Coréia em 1988 na prova de 400m, que vivia em sua granja desde que abandonou as pistas, foi atacado quando retornava a pé para sua casa nas proximidades de Eldoret, e apanhou até a morte no oeste do Quênia, onde nesta mesma terça-feira 35 pessoas foram queimadas vivas em uma igreja.

Robert Cheruiyot compareceu ao enterro (foto)

A divulgação do resultado das eleições presidenciais do Quênia (kuinet), realizadas no dia 27 de dezembro de 2007, provocou prostestos e deixou o país em chamas, enfrentando a pior violência dos últimos tempos. A Comissão Eleitoral deu a vitória ao presidente, Mwai Kibaki, reeleito para um segundo mandato de cinco anos, mas o principal candidato de oposição, Raila Odinga, contestou o resultado, alegando fraude.
Antes conhecido pelos grandes nomes do atletismo que de lá vinham, o país agora ocupa as manchetes devido aos conflitos entre as diversas etnias que o formam. Centenas de pessoas morreram, outras centenas foram forçadas a abandonar suas casas.



Kipchoge Keino, presidente da Federação Queniana, deu um discurso

No enterro de Sang, na quinta-feira, apareceram diversos colegas das pistas. Entre eles, Lucas Kibet, que foi atacado no mesmo dia da morte de Sang.
Eu pensei na minha família. Eu pensei que poderia morrer ali”, disse Luke Kibet, que é casado e pai de duas crianças. Devido aos tumultos nas ruas, duas competições organizadas pela Federação Queniana, marcadas para janeiro, foram canceladas.
'Cada corredor tem uma história sobre casas queimando e pessoas correndo com arcos e flechas”, afirmou Toby Tanser, fundador da organização de caridade Shoe-4-Africa, que busca ajudar países africanos em conflito.
Segundo Tanser, mais de 80% dos principais corredores quenianos pertencem à tribo “Kalenjin”, um grupo étnico que, em sua maioria, apoiou o candidato da oposição ao governo do país, Raila Odinga, da tribo “Luo”, que se concentra principalmente no oeste do país e nas favelas de Nairóbi. O presidente eleito, Mwai Kibaki, é ligado à facção 'Kikuyu'.
"Nós sempre treinamos junto com outras tribos, incluindo Kikuyus”, disse Kibet, que é Kalenjin. “E sempre nos demos bem”, completou.
O corredor, que é o atual campeão da maratona de Viena e da etapa do mundial de maratona realizada no Japão, comentou a sensação de medo que sentiu ao correr não para conseguir uma vitória, mas sim para sobreviver. “Foi um tipo diferente de corrida. Eu era movido pelo medo”, revelou.
Kibet disse ainda que os dirigentes do país devem colocar um ponto final na controvérsia o mais rápido possível. “Enquanto eles discutem, pessoas estão morrendo”, finalizou.

Nos resta rezar e torcer para que todo esse conflito se acabe e faça com que o Quênia seja novamente manchetes, mas porque correm de forma extraodinária nas ruas e não da morte...

O ATLETISMO ESTÁ DE LUTO........

Um comentário:

Jorge disse...

-------\\\\|/-------
------(@@)-------
-ooO--(_)--Ooo—
Olá amiga Lu, boa tarde, realmente vc tem razão, eu gosto muito de corridas pequenas só assim não tem confusão né. Olha amiga vc se enganou eu não moro em apartamento e sim em casa....risos...mais tudo bem...Caramba quer dizer que o pequeno João Victor tá mexendo muito hein, legal, com certeza ele será um grande campeão, já desde cedo está se esticando na barriga da mãe fazendo alongamentos.
Amiga que chato isso né o que vem acontecendo lá no Quenia é uma pena e tomara que essa situação se resolva logo.
Parabéns pelo relato da maratona no seu blog eu já corri 7 maratonas, amiga juro que na primeira maratona eu não estava muito treinado que foi em 2003 eu so treinei uns 3 meses, amiga quando chegou no 30KM a minha perna travou deu caimbras e vinha aquela voz do diabinho e do anjinho, o diabinho falava o que eu estava fazendo ali que ali não era meu lugar e o anjinho dizia o seguinte vamos lá que vc conseguirá eu não dei trela para o diabinho e diminui o ritmo da corrida e termineir a minha primeira maratona em 3horas e 15 minutos, quando terminei a minha primeira maratona me deu uma sensaçao gostosa que me emocionei e não estava acreditando no que tinha acabado de fazer e realmente amiga vc tem razão para fazer uma maratona tem que ter muita disciplina se não, não completa ainda mais quando vem a lesão Que inclusive já me convidaram também para fazer ultra-maratonas, só que esse convite quem sabe eu aceito no futuro, por enquanto estou sem tempo para treinar para ultras...
Lu vejo que no seu blog vc tem um calendário de corridas e inclusive aqui vc anuncia algumas corrida que acontecem no RJ, mais vc esqueceu de uma e que inclusive irei correr que será no dia 20 Jan a corrida de São Sebastião e para minha surpresa a minha filha Bruna de 7 anos também vai correr, mais não os 10km...risos...e sim a São Sebastião Kids, ela vai correr os 200 metros no dia anterior no dia 19 Jan.
Amiga adorei a msg abaixo no seu blog, parabéns mais uma vez
Saudações a todos os amantes da corrida
Sejam todos muito bem vindos. Espero que gostem do blog, pois ele está sendo feito com muito carinho. Gostaria muito da colaboraçãod e todos vocês e que sugerissem temas, dessem dicas e comentassem sobre o blog, até porque alguma coisa já temos em comum: O AMOR À CORRIDA!!!!!!
Um abraço e bom final de semana,
www.jmaratona.blogspot.com
JORGE